As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Lagoa do Brejão II: o esgoto itinerante!

Depois das denúncias na imprensa e nos blogs, o SAAE "lacrou" dois pontos de vazamento. Aí o esgoto descobriu que podia vazar por outro ponto. E lá vai o esgoto para a Lagoa do Brejão...

Crédito da foto: Fabiano Abreu. 30 de janeiro de 2011
Confiram clicando aqui.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

domingo, 30 de janeiro de 2011

Diálogos na Serra do Cipó

 

Fotos feitas no zoom. A qualidade não ficou ótima, mas eu não poderia deixar de postar os tais diálogos.

Fotos: Ramon Lamar de Oliveira Junior

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Serra do Cipó: Pousada Chão da Serra

Férias muito curtas só tem um jeito: ir para um local bem pertinho mas com a certeza de um bom descanso. A Serra do Cipó é uma opção mais do que garantida. E aqui, na Pousada Chão da Serra, podemos curtir um ambiente tranquilo, com ótimo atendimento e "pertim" de tudo. Indicada também para férias longas.
Opção ideal para biólogos e não-biólogos, famílias, casais jovens... todos que valorizam e curtem a natureza.

Pousada Chão da Serra, em primeiro plano. Todas as fotos seguintes foram tiradas dentro da Pousada Chão da Serra
A fêmea do canarinho (Sicalis flaveola).
O casal de canarinhos (Sicalis flaveola).
Beija-flor e o ipê-de-jardim (Tecoma stans)
Beija-flor visitando o ipê-de-jardim.
Mandacaru (Cereus) às 8 da noite: preparando para abrir as flores.
Mandacaru à meia-noite: flores abertíssimas.
No dia seguinte: "nasce a flor e não dura mais do que um dia..."

Fotos e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Bomba no SAAE: onde estão os culpados?

Previsto para ser terminado em 15 de janeiro último, o inquérito continua em andamento. Então a população começa a formular algumas hipóteses. A que tenho ouvido com frequência fala que a "bomba" estava lá tem muito tempo. Na verdade estava guardada e embrulhada. Sobra de alguma detonação feita pelo próprio SAAE ou sobra de algum projeto do tipo. O funcionário que estava de plantão no dia da confusão era novato na área, cobrindo férias dos titulares. Sem saber do embrulho, talvez por curiosidade, teria derrubado o artefato e desencadeado toda o tsunami. Será??? Mistérios...
A única verdade até o momento é que nós, vizinhos do local, ainda não esquecemos o problema. Atentado ou descuido, a detonação poderia ter colocado em risco as vidas e o patrimônio de muitas famílias.


Ramon Lamar de Oliveira Junior

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Seltur passeia com os jovens

Acabo de ler no www.setelagoas.com.br (clique aqui) que a Seltur fará na próxima sexta-feira (28/01/2011) um city tour com 25 adolescentes do Centro Socioeducativo de Sete Lagoas. Diz a nota, baseada em informações da SECOM/Prefeitura, que os jovens visitarão os principais monumentos históricos da cidade como os museus histórico e do ferroviário, Casarão Nhô Quim, Praça Tiradentes, Teatro Redenção, e as lagoas da Boa Vista e Paulino com encerramento no Monumento Natural Estadual Gruta Rei do Mato. Uma iniciativa muito interessante. Mas...
Teatro Redenção, aguardando sua redenção.
Espera aí... vão visitar o quê no TEATRO REDENÇÃO? Só tem um telhado lá para ser observado. O piso já foi embora faz tempo e o mato está brotando lá de dentro. Isso é passeio ou castigo? 
Ah, cuidado com os escorpiões, viu?

Foto e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

O "causo" dos beijos no espelho.

Recebi, por e-mail, esse "causo" contado pelo amigo Leandro. Não sabemos se é verdade, provavelmente é uma lorota, mas daquelas bem interessantes. Faz pensar um pouquinho na questão da educação...

Numa escola pública estava ocorrendo uma situação inusitada: meninas de 12 anos que usavam batom, todos os dias beijavam o espelho para remover o excesso de batom. O diretor andava bastante aborrecido, porque o zelador tinha um trabalho enorme para limpar o espelho ao final do dia. Mas, como sempre, na tarde seguinte, lá estavam as mesmas marcas de batom...
Um dia o diretor juntou o bando de meninas no banheiro e explicou pacientemente que era muito complicado limpar o espelho com todas aquelas marcas que elas faziam. Fez uma palestra de uma hora. No dia seguinte as marcas de batom no banheiro reapareceram...
No outro dia, o diretor juntou o bando de meninas e o zelador no banheiro, e pediu ao zelador para demonstrar a dificuldade do trabalho. O zelador imediatamente pegou um pano, molhou no vaso sanitário e passou no espelho.
Nunca mais apareceram marcas no espelho!
 
Moral da história: Há professores e há educadores...
Comunicar é sempre um desafio!
Às vezes, precisamos usar métodos diferentes para alcançar certos resultados.

Aranhas: Phoneutria (Armadeira)

A Phoneutria (família Ctenidae) é a aranha conhecida como armadeira. Os gringos também a chamam de "banana spider", uma vez que costumam chegar nos portos americanos no meio dos cachos de banana. Acidentes com os estivadores dos portos são comuns. Aliás, touceiras de bananeiras são um dos locais preferidos pela Phoneutria.
A armadeira é grande, cerca de 3 cm de corpo. Contando com as pernas esticadas ela pode chegar a 10 cm. Não é uma aranha que se caracteriza pela construção de teias e vive principalmente no chão. É muito ativa durante a noite. De dia fica escondida em entulhos, montes de lenha, troncos... e nas touceiras de bananeiras. Quando ameaçada, assume a posição de defesa (veja na foto abaixo) e "se arma". Dessa posição ela pode saltar na direção das pessoas.

Foto: Ubirajara de Oliveira (ICB/UFMG).
Os efeitos da picada, obviamente, dependem da quantidade de veneno injetado. O local fica vermelho, inchado e dói muito pois uma das toxinas é neurotóxica. Quem já foi picado relata que a dor é terrível. Um conhecido nosso lá da UFMG, experiente na coleta de toxinas de aranhas, escorpiões e cobras, contou que distraiu-se durante uma extração de veneno e foi picado pela armadeira. Ele considerou a picada como a mais dolorosa que ele já recebeu (e ele já recebeu várias... ô emprego ingrato!). Muito suor, vômitos, agitação, hipertensão, taquicardia, aumento da frequencia respiratória (taquipneia) e priaprismo (ereção) podem acompanhar os sintomas da picada. Em casos graves pode ocorrer choque neurogênico (redução do tônus da parede das artérias com forte queda da pressão arterial). Lembre-se sempre que acidentes são muito mais graves em crianças em idosos.


Em caso de picada, procure o pronto-socorro para a aplicação de anestésicos e do soro específico. Caso não encontre em Sete Lagoas, vá direto para o HPS João XXIII.
Em 2005 (clique aqui), um chef de cozinha britânico foi picado por uma armadeira - que provavelmente chegou ao seu pub em uma caixa de bananas proveniente do Brasil. Foi salvo por ter fotografado a danada com o celular e mostrado aos médicos que puderam realizar o tratamento correto.


Texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O SAAE e o Estudo Hidrogeológico

O estudo hidrogeológico da nossa cidade é fundamental e indispensável. O terreno cárstico em que estamos assentados impõe a necessidade do estudo. Quando o assunto começou a palpitar de forma a caminhar para o desfecho de realização do estudo, indaguei ao SAAE por meio do blog (clique aqui) sobre a questão dos valores previstos para o estudo.
O comunicado enviado para a imprensa falava em R$ 600.000,00. O Setor de Comunicação do SAAE avisou, num release para a imprensa e aqui no blog, que o valor seria de R$ 1.495.140,00. Agora, fico sabendo, via jornal Sete Dias em entrevista com o presidente do SAAE, da “contratação do estudo hidrogeológico por R$ 1,62 milhões, em convênio com o Igam, que será concluído somente em 2012.” Da estimativa inicial para o preço contratado, um aumento de UM MILHÃO DE REAIS. E lá vai o preço subindo... mais um retoque aqui... uma adequação ali...
Juro que tento entender, juro... mas não consigo.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

Aqui jaz um pouquinho dos seus impostos. (1)

Será que nossos governantes não pensam quando criam uma obra, por menor que seja, que ela precisará de manutenção e uso no futuro? E será que a cada prefeito eleito a regra é abandonar tudo o que o antecessor fez? Com isso, não há volume de impostos que dê conta do recado. Fazer obras e depois jogá-las no lixo, com o dinheiro dos outros, é fácil demais. Festas, inaugurações, promessas... por água abaixo. Lamentável. E, claro, não é só em Sete Lagoas. Não podemos ser diferentes nesse aspecto?

Miraculosamente ganhou uma capina. E só. Muito pouco para a desapropriação de uma casa e a construção de uma passagem ligando o Bairro Boa Vista ao centro. Estruturas quebradas (clique para ampliar), jardim inexistente e iluminação pobre. Sem contar os problemas com a marginalidade.
Placa indicadora dos buritis da Lagoa Paulino (já falei sobre ela aqui no blog). Virou monumento à incompetência.
Diversas estruturas como a da foto estão espalhadas em torno da Lagoa Paulino. Ali existiam holofotes e uma grade de proteção. Holofotes e muitas das grades foram roubados. Nada se fez, nada se fará. É a Teoria das Janelas Quebradas em ação.
Quiosques para papear e jogar damas, na praça do CAT (Praça Wilson Tanure). Abandono. Sem contar o velho problema do paisagismo das terras aparentes.
Cumpre lembrar que os tais "esquecimentos", que serão apontados nesta série, não são obra (ou falta de obra) apenas do prefeito atual.

Fotos e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

domingo, 23 de janeiro de 2011

Rua Abaeté, Sete Lagoas, Minas Gerais: uma be-le-zu-ra de serviço.

Servição o SAAE conseguiu fazer no quarteirão da Rua Abaeté entre as ruas Santa Catarina e Ario Maro. Alguns moradores pediram que eu fosse lá conferir um pouco da capacidade técnica do SAAE em destruir uma rua e não arrumar. Hoje já são contados 12 dias do início da obra. Nesses dias desceu esgoto, choveu, desceu mais esgoto, fedeu, fez barro... o pessoal chegava na esquina da Santa Catarina para se assustar com o estrago. E nem é por causa de falta de asfalto dessa vez, pois a rua é de calçamento. 

[Clique para ampliar]
Parece que as manilhas da rede de esgoto (manilhas antigas) cederam. O SAAE foi lá arrumar e conseguiu piorar a coisa. O trânsito pesado dos caminhões do próprio SAAE, assim contaram os moradores, acabou rompendo mais manilhas. Uma caixa diluidora de uma moradora foi arrancada, o buraco está na frente da casa dela e a caixa também, sobre a rua, estacionada. Trincas apareceram em casas. Uma garagem, ao menos, terá que ser demolida. Prejuízo para todos. Esperança de entrar na justiça e diminuir o prejuízo ninguém tem. Acham que nem compensa. Já é o terceiro caso nos últimos mesmes em que escuto a mesma conversa, o mesmo desânimo.
Mesmo a chuva dando um tempinho, nada de arrumar. 
Vamos ver. 
Quem sabe amanhã, né?

Observação 1: Será que aquela falta de água nas ruas, denunciada também aqui e no setelagoas.com.br não seria por causa de algum rompimento nesse quarteirão?
Observação2: Algumas ruas da cidade não toleram trânsito pesado, mas as placas "proibido trânsito de caminhões" nunca são respeitadas. Aliás, costumam ser arrancadas... adivinha por quem. Na rua João do Vale, paralela à Abaeté, era e ainda é assim. Depois as ruas afundam e ninguém sabe o motivo.
Observação3: É esse tipo de trabalho mal executado que faz a população querer a COPASA. Não adianta o presidente do SAAE falar que a autarquia consegue se manter e apresentar um serviço desse naipe. Falei com o pessoal que, com a COPASA, o estrago seria o mesmo. A diferença é que com o SAAE a gente pode gritar e espernear, às vezes nos escutam, noutras vezes apenas acenam e sorriem. Pelo menos sabemos que dentro do SAAE temos muitos funcionários gente-boa e que trabalham direito. Acredito que o serviço da COPASA seria mais ou menos semelhante ao da ViaSolo - reclamar com quem?

Texto e foto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

Conhecendo o Parque da Cascata (4)

7) Pteridófitas: Gleicheniáceas - As samambaias desse grupo são facilmente encontradas em barrancos das encostas da Serra de Santa Helena, dentro ou fora do Parque da Cascata. As imagens que ilustram esse tópico foram obtidas na estrada de subida da serra, mesmo local onde os licopódios foram fotografados. (um, inclusive, pode ser visto numa das fotos). As folhas das gleicheniáceas possuem uma dicotomia (ou pseudodicotomia, já que podem apresentar gemas nos pontos de ramificação) interessante. Como já afirmamos, sugere-se que tal característica estaria presente em plantas "primitivas" como as hepáticas. Por baixo das folhas das gleicheniáceas observam-se algumas "bolinhas" agrupadas. Tais bolinhas são os esporângios - responsáveis pela reprodução assexuada pela produção de esporos. Os agrupamentos de esporângios formam os soros. Observe que, nos soros, os esporângios são facilmente observáveis, não estando protegidos por uma "capa" ou indúsio, como costuma acontecer em muitas espécies de samambaias. O número maior de fotos para ilustrar esse tópico deve-se às mudanças recentemente levadas a efeito na classificação do grupo e na ausência de um estudo detalhado por parte dos botânicos sobre essa região. Quem sabe alguém anima, vem estudar e nos esclarecersobre as espécies ou variedades ali existentes?

 
 
 
Gleicheniáceas: detalhe da ramificação das folhas e dos soros. Serra de Santa Helena, janeiro/2011.
Fotos e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

Inaugurou, mas não inaugurou...

Estive ontem à tarde conhecendo o "Receptivo Turístico da Gruta Rei do Mato". A obra ficou muito boa, muito bem feita e planejada. O funcionário que nos acompanhou foi muito solícito e estava bastante animado com a possibilidade do funcionamento efetivo do conjunto a partir dessa semana.
Só achei estranha essa história de inaugurar um mês antes de começar efetivamente funcionar. (Clique aqui para ver matéria sobre inauguração da obra em 17 de dezembro passado.)
Acredito que o estado do "trevo" da entrada da cidade é uma propaganda negativa para a gruta. Já passou da hora da cidade fazer ou exigir que seja feita a melhoria do "trevo". Ele é horroroso e, dotado de péssima iluminação à noite, um verdadeiro perigo. Se a questão é federal, cabe ao nosso deputado federal eleito e reeleito conseguir a execução de um projeto para aquela área. Tenho certeza que melhorará muito a visibilidade da cidade e do ponto turístico.
Já falei sobre o assunto aqui. Se precisar, falo mais.

Ramon Lamar de Oliviera Junior

sábado, 22 de janeiro de 2011

Pelas ruas da cidade... (3)

Cassia javanica
Extremosa ou resedá (Lagerstroemia indica)
Flamboyant-mirim (Caesalpinia pulcherrima)
Ipê de jardim (Tecoma stans)
Paineira (Ceiba speciosa)
Quaresmeira rosa (Tibouchina granulosa)
Quaresmeira roxa (Tibouchina granulosa)
Fotos: Ramon Lamar de Oliveira Junior

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Esgoto atingindo a Lagoa do Cercadinho

Não deixe de ler no setelagoas.com.br (clique aqui), com boas imagens captados pelo Túlio Thales e texto do Felipe Castanheira, a matéria que mostra mais uma lagoa recebendo esgoto. A dúvida agora é a seguinte: alguma escapou? Já mostrei aqui no blog o esgoto que cai na Lagoa Paulino (aqui e aqui), na Lagoa da  Boa Vista  (aqui) e na Lagoa do Brejão (aqui). Na José Félix o lançamento é sempre notícia (aqui, no blog Diário do SAAE). A Lagoa da Catarina  (aqui) é um verdadeiro caos de lixo que é arrastado lá para dentro com a chuva. Agora (aliás não é de hoje), a Lagoa do Cercadinho recebe o esgoto que corre pela rua e é captado pela rede pluvial (igualzinho à Lagoa Paulino). A APA da Lagoa Grande não sai do papel (se é que está no papel). Quanto à Lagoa da Chácara...

Lagoa do Cercadinho
2011 promete. A imprensa e os blogs estão aí para mostrar os problemas e cobrar soluções.
Feliz 2011!!!

Texto e foto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

Lua Cheia Nascendo (verão 2011)

Está aqui, bem na minha janela...

Foto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

Texto da Alessandra Casarim sobre recuperação de áreas degradadas.

Ontem, recomendei aos meus alunos uma visita ao blog da Alessandra Casarim para ler um texto sobre Recuperação de Áreas Degradadas. No meio da aula, o par de neurônios falhou e eu não lembrava o endereço do blog dela nem que uma manada tossisse!!!
O texto é curto e bastante didático. Coisas da Alessandra e da sua experiência de sala de aula em transmitir as ideias de maneira simples e inteligente.
Segue então um link (clique aqui) para o texto.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

Uma mentira divulgada pelo MEC em relação ao ENEM

Não sei se o INEP/MEC se esqueceu de levar a discussão adianta. Do jeito que a coisa funciona por lá, é bem possível. O mais provável é que nunca pensaram mesmo em levar discussão alguma adiante. Satisfeitos com o NOVO ENEM (apesar de todos os problemas que derrubam os presidentes do INEP, um após o outro), o INEP/MEC não se preocupa em ampliar a discussão. As informações abaixo não são encontradas no site do MEC.

Leia atentamente o trecho abaixo. Clique aqui ou aqui para ler a entrevista completa com Helinto Ribeiro Tavares, diretor de Avaliação da Educação Básica do Instituto Nacional de Educação (Inep), órgão do Ministério da Educação responsável pelo Enem em 28 de setembro de 2009.
Como será o aproveitamento e a validade da nota do Enem?
As instituições e o próprio comitê gestor ainda vão decidir sobre isso. O importante é dizer que é uma nota comparável ao longo do tempo. Agora, se vai valer durante um momento, dois ou três, deixaremos que as instituições se posicionem a respeito. Essa discussão é que vai permear o tempo de utilização do Enem. Mas pode ser válido por várias edições. Se o aluno não fizer o Enem do ano que vem, ele pode participar com a nota deste ano. Isso está definido.

Com o mesmo peso?
Sim. O que está para ser definido é se o aluno poderá utilizar a última nota maior (em caso de participar de várias edições). Como esse é o primeiro ano, não há esse problema. Estamos deixando essa discussão evoluir para que tome corpo para decisão já na próxima reunião do comitê gestor.
A nota do ENEM-2009 não está sendo considerada para a seleção a uma vaga pelo Sisu. Apesar do "isso já está definido", só serve a nota do ENEM-2010. Mentira deslavada. Com base nessa mentira, candidatos podem ter deixado de fazer o ENEM-2010, confiando nas notas que tinham anteriormente. E aí, Sr. Helinto, alguma explicação? Aliás, a tal do TRI tem como grande objetivo "igualar" os exames feitos anteriormente em termos de distribuição de nota. Se a nota dos ENEM anteriores, feitos dentro da mesma "tecnologia" não vai ser usada, a TRI perde grande parte da sua utilidade.
Ramon Lamar de Oliveira Junior

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Mais noticias do Ceará sobre o ENEM

do site da Folha de S.Paulo:

Defensoria Pública da União pede suspensão das inscrições no Sisu

MATHEUS MAGENTA
DE SÃO PAULO

A DPU (Defensoria Pública da União) no Ceará enviou na manhã desta terça-feira (18) uma ação civil pública à Justiça Federal para suspender as inscrições do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), que seleciona alunos para universidades federais, até que os candidatos que prestaram Enem no ano passado tenham acesso aos critérios de correção da prova de redação e ao espelho da correção da folha de respostas.
Segundo o órgão, a ação foi motivada por um grupo de quase 30 estudantes que se sentiram prejudicados pela correção da prova de redação. Os alunos apontaram supostos problemas no sistema, como provas anuladas sem motivo e indicação de falta para alunos que realizaram a prova.
Para o defensor público federal responsável pela ação, Carlos Henrique Gondim, os pedidos de acesso à correção das provas são legítimos, apesar de proibidos no edital do Enem, porque atendem aos princípios de motivação e publicidade
Grifos por minha conta. O pessoal lá do Ceará está bravo mesmo com o ENEM. Eu já havia alertado em um post anterior que essa história de não ter acesso à correção das provas ia acabar dando problema. Mas quem sou eu, né? O pessoal do INÉPcia é que tem toda competência técnica. Vamos ver como eles discutem em relação ao direito fundamental de toda pessoa que presta um concurso público. Ah, a politização da questão está até demorando. Daqui a pouco a culpa é da oposição, dos cursinhos, dos estudantes... bla bla bla. Os direitos dos candidatos que se explodam!!!

Comentário: Ramon Lamar de Oliveira Junior

NOVO ENEM: das propostas iniciais e suas distorções

Trechos e comentários a partir do texto apresentado para a Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) quando da proposição do NOVO ENEM pelo INEP/MEC. O texto integral encontra-se no portal do MEC e em :

Antes de detalhar alguns pontos do texto que considero fruto de algumas poucas cabeças, afirmo que a ideia de um exame nacional é, sem dúvida alguma, bastante interessante e defendo essa ideia. Contudo, diversas distorções no conteúdo e na forma tornam impossível não tecer diversas críticas. Infelizmente, tais críticas caem sempre no vácuo que existe entre a comunidade e o governo. A democracia é substituída pela decisão de alguns, no que julgam ser o melhor, baseados em suas decisões de gabinete. Cooptar os reitores da IES é coisa fácil de ser feita. Não tão fácil é convencer os estudantes e professores que dia após dia, ano após ano, trabalham em sala de aula o tema da seleção de candidatos às universidades. Esses últimos não são consultados. É uma pena. Temos muito a colaborar. Nem vou discutir aqui o tamanho da prova a ser realizada em tempo exíguo e o massacre psicológico de apostar todas as fichas em uma única prova.
Os trechos em vermelho foram extraídos do texto referido anteriormente. Vamos a ele.

O reconhecimento, por parte da sociedade, de que os vestibulares são necessários, honestos, justos, imparciais e que diferenciam estudantes que apresentam conhecimentos, saberes, competências e habilidades consideradas importantes é a fonte de sua legitimidade”.
Os autores da proposta começam reconhecendo a legitimidade do vestibular tradicional. No entanto, em duas edições do NOVO ENEM, ainda não construíram uma legitimidade para a nova prova. Quando questionados, saem pela vertente demagógica da inclusão dos estudantes carentes no PROUNI, coisa que já existia (e muito bem, diga-se de passagem) antes do NOVO ENEM. Tenho vários ex-alunos que estão no curso superior graças ao PROUNI e eu não seria nem cego e nem louco de não aplaudi-lo e não reconhecer sua grande importância. O vazamento de provas no ENEM-2009, o vazamento do tema de redação no ENEM-2010 aliado aos problemas na impressão das provas e folhas de resposta de certo não contribuíram para a honestidade, justiça e imparcialidade da nova avaliação.

O que se quer discutir são os potenciais ganhos de um processo unificado de seleção, e a possibilidade concreta de que essa nova prova única acene para a reestruturação de currículos no ensino médio.”
Aqui, os autores colocam claramente o desejo de reestruturação de currículos no ensino médio. O caminho não está um pouco, digamos, torto? Para reestruturar os currículos do ensino médio a via seria a proposição de novos parâmetros curriculares. Será que os PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) do Ensino Médio - criados em 2000 - já estão tão defasados assim? Ou precisam ser esquecidos porque são oriundos de outro grupo político?

Ainda que o vestibular tradicional cumpra satisfatoriamente o papel de selecionar os melhores candidatos para cada um dos cursos, dentre os inscritos, ele traz implícitos inconvenientes. Um deles é a descentralização dos processos seletivos, que, por um lado, limita o pleito e favorece candidatos com maior poder aquisitivo, capazes de diversificar suas opções na disputa por uma das vagas oferecidas. Por outro lado, restringe a capacidade de recrutamento pelas IFES, desfavorecendo aquelas localizadas em centros menores.”
Um ponto extremamente curioso do texto, muito mal pensado e mal elaborado (inclusive contrariando dados concretos, como veremos mais à frente). O texto trata como inconveniente o fato de candidatos com maior poder aquisitivo poderem viajar pelo país em busca de uma vaga e se esquece que, mesmo que viaje muito (e consiga ser aprovado), um candidato só absorve UMA vaga. Com o NOVO ENEM ele nem precisa viajar para absorver a MESMA VAGA. O poder aquisitivo se reflete na possibilidade dele se manter em outra cidade ou outro estado, até muito distante da sua cidade natal. Inclusive, vários casos foram divulgados no ano passado de candidatos que sequer podiam viajar para fazer matrícula em outro estado, que dirá para bancar sua estadia, alimentação... O sistema, na verdade, está facilitando a movimentação dos candidatos de maior poder aquisitivo em vez de combatê-la. Se ao menos os candidatos tivessem que disputar vagas dentro de suas regiões, ou com um sistema de cotas para os de outros estados, mas não é isso o que se propõe.

Outra característica do vestibular tradicional, ainda que involuntária, é a maneira como ele acaba por orientar o currículo do ensino médio.”
Oras, mas não é isso que o NOVO ENEM também quer? O problema é que o programa do NOVO ENEM é menor do que o que é exposto nos PCNs. No caso da matemática, por exemplo, o NOVO ENEM não exige conhecimentos mais específicos como grande parte da trigonometria, números complexos, matrizes, determinantes, derivadas e limites. Tais conteúdos estão sendo abandonados no ensino médio. E depois? Como ficam os aprovados aos cursos de engenharia, arquitetura e ciência da computação, por exemplo? Como eles terão proficiência nas famigeradas disciplinas de Cálculo? A biologia também está abandonando, no ensino médio, temas como o estudo dos tecidos (histologia). A disciplina de histologia nos cursos superiores está se tornando o “bicho-papão” dos alunos. Em breve, os professores de literatura não indicarão mais obras para leitura (pelo menos não com a mesma intensidade e diversidade). Não acredito que o programa reduzido do NOVO ENEM, extremamente repetitivo em suas provas (basta contar o número de questões sobre aquecimento global), conduzirá a um desempenho melhor no ensino superior. Competências e habilidades são importantes, mas conteúdo também é. Precisamos parar com a ideia de que “tudo é raciocínio”. Existem muitos conteúdos que se aprende no esforço da repetição, do aprendizado de termos técnicos (que pode ser chamado de “decoreba”). Anatomia é um exemplo: não há muito o que se entender, mas há um mundo a se memorizar.

Da mesma forma, a influência dos vestibulares tradicionais nos conteúdos ministrados no ensino médio também deve ser objeto de reflexão.”
Pois é. Então vamos refletir também sobre a influência do NOVO ENEM nos conteúdos ministrados no ensino médio, ok?

Exames descentralizados favorecem aqueles estudantes com mais condições de se deslocar pelo país, a fim de diversificar as oportunidades de acesso às vagas em instituições federais nas diferentes regiões. A centralização do processo seletivo nas IFES pode torná-lo mais isonômico em relação ao mérito dos participantes.” “Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2007 (Pnad/IBGE) mostram que, de todos os estudantes matriculados no primeiro ano do ensino superior, apenas 0,04% residem no estado onde estudam há menos de um ano. Isso significa que é muito baixa a mobilidade entre estudantes nas diferentes unidades da Federação. Ainda que o Brasil seja um país com altas taxas de migração interna, isso não se verifica na educação superior.”
Já discuti esse aspecto num comentário acima. O interessante aqui é a contradição: ao mesmo tempo que os autores advogam contrariamente à migração de alunos de alto poder aquisitivo (parece que eles estão até ocupando todas as vagas nas universidades), mostram o resultado da pesquisa do Pnad que indica que tal migração corresponde a 0,04%. Aliás, vamos melhorar o ensino médio público. Vamos investir seriamente na formação de professores e remuneração dos mesmos. Se não der certo, aí podemos nos dedicar a essas elucubrações.

A nova prova do Enem traria a possibilidade concreta do estabelecimento de uma relação positiva entre o ensino médio e o ensino superior, por meio de um debate focado nas diretrizes da prova. Nesse contexto, a proposta do Ministério da Educação é um chamamento. Um chamamento às IFES para que assumam necessário papel, como entidades autônomas, de protagonistas no processo de repensar o ensino médio, discutindo a relação entre conteúdos exigidos para ingresso na educação superior e habilidades que seriam fundamentais, tanto para o desempenho acadêmico futuro, quanto para a formação humana.”
Debate focado nas diretrizes da prova? Onde aconteceu? Quando foi? Quando se deu esse chamamento? Ah, entendi. As IFES (Instituições Federais de Ensino Superior) foram chamadas para repensar o ensino médio. Quem está trabalhando no ensino médio não foi. Muito lógico isso. Muito democrático. Acho que a tal “formação humana” passa pelo conceito de ouvir a todos os envolvidos. Qual a distância física (em metros) do prédio do MEC na esplanada dos ministérios até o Congresso Nacional? Será que estão faltando exemplos de democracia ali na região?

Um exame nacional unificado, desenvolvido com base numa concepção de prova focada em habilidades e conteúdos mais relevantes, passaria a ser importante instrumento de política educacional, na medida em que sinalizaria concretamente para o ensino médio orientações curriculares expressas de modo claro, intencional e articulado para cada área de conhecimento.”
Novamente a questão: quem deve orientar o currículo do ensino médio são os PCN, que aliás, são muito claros, intencionais e articulados. Se é preciso mudar alguma coisa, que se mude neles. Não acho, por exemplo, que a inexistência da cobrança da leitura de umas duas ou três obras literárias esteja de acordo com uma boa orientação curricular.

Assim, o novo exame seria composto por quatro testes, um por cada área do conhecimento, a saber: (i) Linguagens, Códigos e suas Tecnologias (incluindo redação); (ii) Ciências Humanas e suas Tecnologias; (iii)
Ciências da Natureza e suas Tecnologias; e (iv) Matemática e suas Tecnologias. Esta estrutura aproximaria o exame das Diretrizes Curriculares Nacionais e dos currículos praticados nas escolas, mas sem abandonar o modelo de avaliação centrado nas competências e habilidades. Em relação ao conjunto de conteúdos, este seria construído em parceria com a comunidade acadêmica, neste caso específico, as IFES.”
Olha, lembraram dos PCN!!! Mas espera aí. É para aproximar dos currículos praticados nas escolas ou para propor mudanças nesses currículos? Esse texto é uma colcha de retalhos! E as IFES realmente ajudaram no estabelecimento dos conteúdos? A UFMG passou a integrar o NOVO ENEM em 2010, ela “palpitou” em alguma mudança dos conteúdos ou já “comprou” a ideia pronta (ou "recebeu" pela ideia pronta).

Aliar a capacidade técnica do Inep, no que diz respeito à tecnologia educacional para desenvolvimento de exames, à excelência acadêmico-científica das IFES, é de suma importância nesse momento. Trata-se não apenas de agregar funcionalidade a um exame que já se consolidou no País, mas da oportunidade histórica para exercer um protagonismo na busca pela re-significação do ensino médio.”
Autointitular-se “detentor de capacidade técnica” é o que eu chamo de auto-melhoria. A tecnologia educacional abrange níveis muito diversos. Sequer estão conseguindo explicar à comunidade como funciona o TRI. Sequer conseguem montar uma prova sem defeitos. Pensaram uma prova enorme, com um número de candidatos enorme e não conseguem gerenciar adequadamente o sistema. Isso, para mim, não é capacidade técnica. Quanto a dizer que o exame já se consolidou, estão misturando alhos com bugalhos. O NOVO ENEM é diferente do ANTIGO ENEM, que atingia um público bem menor e cuja principal vantagem era o acesso ao PROUNI. O ANTIGO ENEM estava consolidado. Quanto à re-significação do ensino médio, insisto: o caminho não é esse. Modifiquem e aprimorem os PCN. 
Exames são instrumentos de medida e não os iniciadores de processos de mudança. 
Exames são fins e não meios.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

PS.: O presidente do INEP acaba de cair (pediu para sair, dizem). Credibilidade e legitimidade de um sistema não se constroem dessa forma.

Conhecendo o Parque da Cascata (3)

5) Pteridófitas: licopódios - As pteridófitas constituem um grupo muito antigo e muito diversificado. Em geral, como comentado no post anterior, as pessoas conhecem apenas as filicíneas, representadas principalmente pelas samambaias e avencas. Contudo, existem pteridófitas muito diferentes desse padrão. As Lycopadiaceae (licopodiáceas) ou licopódios. Em vários pontos das encostas da Serra de Santa Helena, encontramos o gênero Lycopodiella. O local mais fácil de observá-las é na encosta do lado direito da subida da estrada da serra, apesar da mesma estar presente também em alguns locais mais isolados do Parque da Cascata. A planta tem um aspecto que lembra um tipo de pinheirinho. As partes reprodutoras assexuadas assemelham-se muito aos estróbilos (pinhas) dos pinheiros (como pode ser visto na foto). Da mesma maneira que a samambaia, o licopódio produz um único tipo de esporo (pteridófita isosporada) que germinará dando origem a um gametófito reduzido onde ocorrerá a fecundação, com posterior formação da planta esporófito que se vê nas fotos. Preferem os solos argilosos de encostas. Atenção moças e senhoras: resistam à tentação de levar uma muda para casa. A planta é bonita, mas não tenho notícia de que consiga desenvolver-se em vasos.

Lycopodiella. Planta adulta (esporófito) onde observam-se os estróbilos. Serra de Santa Helena, julho/2006.
6) Pteridófitas: selaginelas - As selaginelas são parentes dos licopódios. No entanto, apresentam reprodução mais complexa pois produzem nos minúsculos estróbilos dois tipos de esporos (pteridófita heterosporada) que dão origem aos gametófitos masculinos e femininos, reduzidíssimos. Ocorrida a fecundação, forma-se o esporófito que cresce e é observável na foto abaixo. As selaginelas apreciam locais de bastante umidade. A da foto (gênero Selaginella) foi encontrada no mesmo local onde foram fotografadas as hepáticas do post anterior, ou seja, no topo da cascata, no famoso córrego escorregadio. Para a alegria das moças e senhoras, algumas selaginelas suportam os vasos, sendo chamadas de samambaias-trepadeiras e erroneamente de musgo-verde ou musgo-azul.  Bom, nome popular é nome popular. Não dá para imaginar um rigor científico. Tais espécies são vendidas nas boas lojas do ramo.

Selaginella. Parque da Cascata, abril/2006.
Fotos e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

PS.: Infelizmente nunca encontrei no Parque da Cascata ou em outra parte da Serra de Santa Helena as pteridófitas de grupos distantes das filicíneas como as Azolla (minúscula pteridófita aquática flutuante) ou Equisetum (cavalinhas). Suspeito que em locais mais úmidos não seria difícil encontrar cavalinhas. De qualquer maneira, os licopódios e as selaginelas dão uma boa ideia da diversidade desse grupo.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Congestionamento no site do SISU, de novo!!!

Repetindo o fiasco de 2009! O site do SISU continua, na manhã desta segunda-feira, com um congestionamento monstruoso. É praticamente impossível abrir a página. Muitas vezes os candidatos abrem, fazem as opções de curso e o sistema trava, não sendo possível salvar as alterações. Um ano depois o INEP/MEC não conseguiu resolver o problema. 
Ontem, o MEC fez um pedido de paciência, amplamente divulgado pela imprensa:
"Segundo a assessoria de imprensa do MEC, é preciso paciência. O ministério trabalha para dar mais agilidade ao sistema, mas alega que são muitas pessoas tentando se inscrever ao mesmo tempo – o site chegou a ter 150 mil acessos simultâneos e 600 acessos por minuto. A expectativa dos organizadores é que o acesso seja normalizado até o fim do dia."
Não normalizou e hoje continua luta dos candidatos. Lamentável...

domingo, 16 de janeiro de 2011

Turismo, capina, obras... descompasso total!!!

Conforme ampla divulgação da Seltur, começou (ou deveria ter começado) hoje mais uma edição do Projeto Conhecer Sete Lagoas.
Fui até a Serra de Santa Helena e perguntei a dois moradores sobre o ônibus do Projeto. Disseram que não viram. A estrada da subida continua sem capina e os buracos aumentando.
É o total descompasso entre a Secretaria de Turismo, a Seltur, a Secretaria de Obras e a Secretaria de Meio Ambiente. Depois insistem em alegar que Sete Lagoas é uma cidade turística. A única cidade turística que conheço que não se prepara para receber os turistas. O Carnasete tem status de turismo. Até o Secretário de Governo faz propaganda dele no Twitter. Os pontos turísticos de beleza cênica ou importância histórica ficam relegados a terceiro plano. Bom mesmo é Carnaval no estilo folia e bebedeira. Conseguiram até acabar com  os desfiles das escolas de samba, que pelo menos tinham um apelo popular, torcida e tudo. Não era uma Marquês de Sapucaí, mas muita gente tem saudade. Talvez, caiba a pergunta: QUAL TURISMO NÓS QUEREMOS?
Quando os cursos superiores de turismo desembarcaram em Sete Lagoas, eu achei que podia dar resultado. Não deu. A mentalidade não mudou. 

 
Sendo biólogo, eu nem deveria reclamar tanto. Afinal, nunca antes na história dessa cidade o verde foi tão preservado. Pena que é o verde do mato. Até árvores imunes de corte estão ameaçadas, como é o caso da Sapucaia dos fundos do Casarão. Aliás, a Secretaria de Planejamento estava lutando para preservar a Sapucaia, será que continuará com poder para isso?
De positivo na Serra de Santa Helena, conforme relato dos moradores, é a ação da Polícia Militar que praticamente acabou com a baderna lá em cima. Mas a placa de "PROIBIDO SOM AUTOMOTIVO" ainda não está lá. Se o entorno da igrejinha é propriedade particular (Diocese), eles não podem colocar esse tipo de placa? Vamos precisar de leis e leis complementares e bla bla bla?
Aproveitando o passeio, paramos às margens da Lagoa do Cercadinho para registrar mais uma vez o descaso com uma das 7 lagoas.

Lagoa do Cercadinho
Fotos e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

sábado, 15 de janeiro de 2011

(Tentativa de) explicar as notas do ENEM

Vamos tentar explicar as notas do ENEM. 
Muitos alunos têm perguntado o motivo das notas tão discrepantes entre as disciplinas. A grande confusão está no fato da nota não ser linear, ou seja, não ser proporcional ao número de acertos. Sendo assim, 50% de acertos na prova de LINGUAGENS E CÓDIGOS não corresponderá à mesma nota de 50% de acertos na prova de MATEMÁTICA. Isso ocorre porque a nota obtida refere-se à "posição" conseguida pelo candidato em um "ranking" de todos os candidatos naquela prova. A porcentagem de acertos mediana (aquela que separa os candidatos em dois grupos de exatamente o mesmo tamanho) corresponde à nota 500.
Vamos supor uma prova onde a distribuição dos acertos ocorre de acordo com uma curva que chamamos de curva normal. Poucos candidatos acertaram poucas questões. Poucos candidatos acertaram muitas questões. A maioria dos candidatos teve um acerto próximo a 50%. Nessa curva, a média e a mediana são iguais, dividindo a população de candidatos em dois grupos de mesmo tamanho, ou seja, metade dos candidatos acertaram menos de 50% e metade mais de 50%. Verifique a imagem abaixo:

Nesse caso, o percentual de acertos é diretamente proporcional à nota. Bastaria multiplicar o percentual de acertos por 10 para termos a nota do candidato.
Para entender as notas de LINGUAGENS E CÓDIGOS e MATEMÁTICA, vamos considerar que você acertou 50% das questões.
Na prova de LINGUAGENS E CÓDIGOS o percentual de acertos que representa a mediana é muito alto (a curva está "deslocada para a direita"). Isso ocorre porque, de uma maneira geral, os candidatos têm mais facilidade nessa prova. Analise o gráfico abaixo:

Com isso, a mediana desloca-se para a direita (lembre-se que a mediana é o número de acertos que divide o total de candidatos em dois grupos de mesmo tamanho). A mediana corresponderá à nota 500 (sempre). Então, se a mediana for maior do que 50% de acertos, e você acertou metade das questões  (menos do que a mediana) ficará com nota menor do que 500.
Já a prova de MATEMÁTICA tem um grau maior de dificuldade para os candidatos. A curva "desloca-se para a esquerda". Observe o gráfico:

A mediana agora é menor do que 50% dos acertos, mas continua valendo 500. Logo, se você acertou metade das questões (mais do que a mediana) sua nota será maior que 500.
A ideia geral é essa. Espero que tenham entendido. 
Em caso de dúvidas, podem perguntar nos comentários. Mas lembro: essa é a ideia em torno das notas da avaliação. O método pressupõe alguns ajustes estatísticos. Detalhes sobre a metodologia adotada eu não tenho, apenas o que já foi publicado.

Mas precisamos considerar outras coisas:

- A TRI (Teoria de Resposta ao Item) não confere o mesmo valor a todas as questões. O valor é conferido conforme o grau de dificuldade da questão (avaliado previamente em testes que ninguém sabe quando, onde e como foram feitos). Portanto, candidatos com o mesmo número de acertos podem ficar com notas diferentes. O INEP/MEC deveria divulgar o grau de dificuldade de cada questão e o valor que cada uma recebeu. Isso chama-se transparência.
- A TRI pode desconsiderar aqueles acertos de questões difíceis quando o candidato errou as fáceis. O programa interpreta essa situação como "chute". E o candidato não fica sabendo o que foi considerado certo e o que não foi. A divulgação desse dado também seria um sinônimo de transparência. Isso é uma doideira. Imagine se eu aplico uma prova para meus alunos de colégio e só considero as respostas das questões difíceis se eles tiverem acertado as fáceis. Sou enforcado e esquartejado no dia seguinte.
- Se o Ministério Público resolver questionar esses pontos o INEP/MEC vai ficar em maus lençóis. Terá que apresentar a planilha de notas para cada candidato. Eles têm condição de fazer isso. Seria muito interessante.

Abração!

Texto e gráficos: Ramon Lamar de Oliveira Junior

Ajuda aos desabrigados do Rio de Janeiro.

Muito boa a iniciativa da Prefeitura em recolher donativos para os desabrigados do Rio de Janeiro. Li no www.setelagoas.com.br:

Sete Lagoas recolhe donativos para as vítimas das chuvas no Rio de Janeiro

A Secretaria de Governo de Sete Lagoas, localizada na Prefeitura Municipal recebeu durante essa sexta-feira, doações para as vítimas das chuvas no Rio de Janeiro.
Foram doados alimentos não perecíveis, colchonetes e roupas. Uma carreta irá recolher as doações e levá-las para as áreas degradadas pelas chuvas no Rio.
Ontem, dia 13 de janeiro, o Governo de Minas anunciou que a Secretaria de Estado de Saúde vai prestar atendimento imediato às solicitações encaminhadas pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, oferecendo apoio médico-hospitalar às vítimas das fortes chuvas que atingem a região serrana fluminense.
Até o momento, já chegam a 524 o número de mortos pelas chuvas. Ao todo, são quatro áreas em risco sendo elas Nova Friburgo, Petrópolis, Teresópolis e Itaipava.

Só não entendi uma coisa: Não seria uma ação a ser realizada pela Secretaria de Assistência Social? Por que a Secretaria de Governo está coordenando essa ação???

Dúvida: Ramon Lamar de Oliveira Junior

Carro do Nonô Figueiredo (Stock Car)

Está exposto aqui, em frente ao meu prédio, o carro do Nonô Figueiredo, piloto da Stock Car, da Equipe Boettger. O carro se encontra no pátio da Lubrivip (esquina da Professor Abeylard com Villa Lobos), ostentando o patrocínio da Mobil e a pintura imitando as McLaren da Fórmula 1, exigência do patrocinador que tem seu nome associado às duas equipes.

[Clique na imagem para ampliar.] Foto: Ramon Lamar de Oliveira Junior
Imagem: globoesporte.globo.com
O post foi muito visitado na última semana. Seguem mais fotos do carro do Nonô.
Para os fãs e admiradores conferirem os detalhes.

Bomba no SAAE: suspeitos serão apontados hoje?

Deu no Sete Dias em 23/12/2010:
Passados nove dias da tentativa de atentado à bomba contra uma unidade do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), o delegado regional de Segurança Pública da Polícia Civil, Oswaldo Wiermann, afirmou que cuida diretamente do caso e, até 15 de janeiro, vai estar com o inquérito concluído. Segundo ele, as investigações estão avançadas e em breve poderá se chegar até os suspeitos de tentarem explodir a casa de máquinas que fica em unidade localizada na Rua Professor Abeylard, próxima à Praça da Feirinha.
Só que depois, em 10/01/2011, saiu esta outra nota:
De acordo com o Delegado de Crimes Contra o Patrimônio, Marco Antônio Rocha Ferreira, a investigação conseguiu apontar a empresa onde foi adquirida a bomba. Ela fica na cidade de Itaúna. [...] As investigações atrasaram, visto o Delegado Regional de Segurança Pública, Oswaldo Wiermann, optou por cuidar diretamente do caso na época da tentativa de atentado. Segundo Marco Antônio Rocha, somente próximo ao dia 31 de dezembro é que o inquérito foi remetido à delegacia de sua alçada. Quando estava com o caso, o delegado Wiermann chegou a afirmor que poderiam estar envolvidos até três suspeitos.
 E então, o inquérito está concluído??? Temos novas datas???

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Tragédias, urbanismo e conscientização

Acabo de receber e-mail do Roda Viva anunciando o entrevistado da próxima segunda-feira (17 de janeiro de 2011). Segue o texto (os grifos em vermelho são por minha conta):

Jaime Lerner
Arquiteto e urbanista

Nos últimos dias o Brasil acompanhou com tristeza o desenrolar da imensa calamidade que se abateu sobre a região serrana do Rio de Janeiro. Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo, cidades conhecidas pelo lazer e pelas belas paisagens, sofreram aquela que já é considerada a maior catástrofe urbana do Brasil. Em meio à perplexidade e ao desespero das populações atingidas, o poder público, mais uma vez, chegou tarde. Veio tentar remediar o que poderia ter sido evitado; socorrer quem não precisava ter sofrido; enterrar os inocentes que não deveriam ter morrido.
Sim, todos sabem quem são os inocentes. Mas e os culpados? Há culpados? O Roda Viva dessa segunda-feira não poderia deixar de debater as questões que a tragédia do Rio levanta. Como planejar o crescimento racional das cidades? Como evitar que desastres anunciados venham a acontecer? Como regulamentar a ocupação das encostas? Como educar os governantes e a população e impor limites à ocupação desordenada de áreas de risco? Para ajudar a pensar em respostas a estas questões, vamos receber no centro da nossa roda o arquiteto e urbanista Jaime Lerner, três vezes prefeito de Curitiba, duas vezes governador do Paraná. Hoje, afastado da política, Lerner é um respeitado consultor internacional, que dispensa maiores apresentações.

Participam como convidados entrevistadores: Paulo Moreira Leite, jornalista; Milton Jung, jornalista da Rádio CBN; Gilberto Scofield, repórter especial do jornal O Globo e Daniel Bergamasco, editor de cotidiano do jornal Folha de S. Paulo.

Apresentação: Marília Gabriela


O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h00.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www2.tvcultura.com.br/rodaviva 


Fiquei pensando na tragédia que se abateu sobre algumas cidades do Rio de Janeiro e na condução da política urbana de Sete Lagoas. 
Logo agora que alguém criou coragem de colocar ordem na casa... o resto da história nós conhecemos.
Queira Deus que a ocupação desordenada, sem infraestrutura e sem destinação adequada do esgoto (como está acontecendo na Lagoa do Brejão) e as obras malucas de engenharia (como o boulevard sobre o Córrego do Diogo) não venham produzir aqui também esse tipo de tragédia.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

PS.: Estou assistindo a entrevista do Jaime Lerner. Apesar de algumas colocações um pouco confusas e, à primeira vista utópicas, Lerner toca na ferida das questões relativas ao Planejamento Urbano em todos os níveis: moradia, transporte, presença do poder público etc.
Imagem captada durante a entrevista.

Buraco ao lado da Rodoviária

O Paulinho do Boi, ontem, nos alertou para um buraco que se abriu na praça ao lado da rodoviária. 
Hoje, fui lá conferir. Coisa muito estranha. Já tem mais de 24 horas e nem sinalizado está. Pessoas podem cair ali dentro... crianças... políticos... (é perto da obra da NOVA CÂMARA MUNICIPAL).
Parece que um vazamento de água provocou o solapamento do terreno e o gramado afundou. O buraco, externamente com 1 metro quadrado, se expande no solo e caminha para baixo da calçada, bem ao lado do ponto de taxi. No jeito para afundar a calçada e levar algum pedestre lá pra dentro.


Olá, Secretaria de Obras, esse é com vocês, não? Nem precisa de asfalto.
Vamos ao menos sinalizar o local!

Abraços.

Foto e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

Serviço para a Secretaria de Assistência Social

E aí, pessoal da Secretaria? Tudo bem aí?
Olha um "causo" para dar uma conferida.
Fica logo ali, na Praça Alexandre Lanza, 123. Bem fácil de encontrar.
Melhor encaminhar o cidadão para um abrigo, não?
Abraços!!!


Foto: Ramon Lamar de Oliveira Junior