As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Conhecendo o Parque da Cascata (1)

Vou começar aqui uma série sobre o Parque da Cascata. Inspirado pelo Claret, proponho mostrar que o Parque da Cascata tem grande importância não só em relação ao aspecto turístico elementar, mas também (e muito) na questão da biodiversidade que merece ser conhecida e preservada. A série constará de algumas imagens e informações sobre os organismos que ali podem ser observados.

1) Cogumelos - A mata fechada é um local propício ao desenvolvimento de uma diversidade de cogumelos e outros fungos. Os micófitos (como também são conhecidos) apreciam os ambientes úmidos, com abundância de matéria orgânica e abrigados da luz solar direta. Na época de chuvas, como agora, os cogumelos fazem a festa. Contudo, o que observamos é apenas uma pequena parte do fungo. A maior parte, as chamadas hifas (filamentos) responsáveis pela nutrição do basidiocarpo ("chapéu" do cogumelo, a "casinha-do-sapo"), prolongam-se por muitos metros no interior do solo ou na madeira apodrecida. O basidiocarpo é apenas o resultado do contato sexual entre as hifas de dois fungos.

Basidiocarpos crescendo sobre madeira apodrecida. Parque da Cascata, janeiro/2011.
2) Briófitas: musgos - As briófitas são plantas muito simples que crescem em ambientes de bastante umidade. É comum observá-los no período de chuvas sobre troncos de árvores, muros antigos e até telhados. Na mata, os musgos crescem vigorosamente apesar de raramente ultrapassarem os 3 centímetros de altura. São plantas extremamente dependentes da água, inclusive para a reprodução. Nas fotos seguintes, observamos duas espécies de musgos com as suas duas fases do ciclo de vida: o gametófito (mais embaixo, com "folhinhas" verdes denominadas filoides) e o esporófito (mais acima, formados por uma haste e uma cápsula produtora de esporos).

Musgos com as fases gametofítica (sexuada) e esporofítica (assexuada). Ao contrário do que se explica na maioria dos livros-texto de biologia, os esporófitos não são completamente aclorofilados. No início do seu desenvolvimento são verdes como pode ser observado nas fotos, posteriormente perdem a clorofila e aí sim, passam a parasitar o gametófito. Parque da Cascata - janeiro/2011.
Fotos e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

6 comentários:

  1. OLÁ RAMON.

    SOU SEU MAIS NOVO SEGUIDOR.

    QUE BLOG, FANTÁSTICO.

    PARABÉNS , RAMON, REALMENTE VOCÊ DIVULGA E MUITO BEM, INTERESSANTES ASPECTOS DA SUA ÁREA DE ATUAÇÃO.

    NA OPORTUNIDADE ESTOU CONDIVANDO PARA QUE CONHEÇA MEU BLOG DE HUMOR:

    "HUMOR EM TEXTO".

    A CRÔNICA DESTA SEMANA É :

    "AH, MULHERES DE SAIA".

    VENHA CONFERIR E COMENTAR!

    UM ABRAÇÃO CARIOCA.

    ResponderExcluir
  2. Ola Ramon,

    muito obrigado por "matar" minhas saudades da Serra! Já fiz o download de todas fotos do seu blog que tem a ver com a natureza. Que maravilha (principalmente os vinhaticos e as gameleiras).

    um abraço,

    Claret

    ResponderExcluir
  3. Sou sua aluna nas aulas sobre Conhecendo o Parque da CASCATA, OK?
    Aguardo a próxima aula...
    E por falar em aula... e aí, vai fazer a pós em Botânica da UFLA?
    As inscrições vâo até março... Eu vou se quiser carona...conte comigo.
    Ah!!!Mande um super beijo na Marina e Andréa
    Abraços,
    Alessandra Casarim

    ResponderExcluir
  4. Puxa, Alessandra.
    Aguardo sugestões sobre o Parque da Cascata, viu?
    O convite para a UFLA é quase irresistível, mas as obrigações aqui estão travando fazer outra pós no momento.
    As duas estão mandando beijão para você também.
    Abraços!!!

    Claret,
    Lembre-se: pode encomendar a foto que quiser, ok?
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  5. Que idéia fantástica, professor...

    Sempre tive a certeza de que tanto o parque da cascata quanto a Serra Santa Helena eram pouco explorados nesse aspecto de estudo...
    Não preciso ficar aqui rasgando seda, seu trabalho é fantástico e ponto!!!
    Fiquei com uma dúvida e vou aproveitar o tópico... Em suas aulas de fungos você nos disse que cogumelos venenosos geralmente são muito chamativos, cores fortes, etc...
    É possível sem uma análise laboratorial identificar se os cogumelos são comestíveis ou não?

    Abração

    ResponderExcluir
  6. Saulo,
    é possível sim. Porém só a partir do conhecimento das espécies. Não existem características morfológicas visíveis que permitam a separação de comestíveis ou não.
    Abraços.

    ResponderExcluir

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.