As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

REDAÇÃO PARA O ENEM: UM AUXÍLIO SUBSTANCIAL

Segue texto publicado hoje pelo meu ex-professor de Português que se tornou grande amigo e colega. Traz algumas regrinhas práticas para enfrentar a Redação do ENEM.

A algum de meus amigos que esteja às vésperas da prova de redação do Enem, apresento a seguir uma sugestão para a estruturação do texto argumentativo. É um texto meio longo, mas eu não tive tempo de ser breve. Se servir para alguém, faça bom uso dele.

REDAÇÃO ENEM

A proposta de redação adotada no Enem costuma se basear no seguinte esquema:
· São dados dois ou mais textos que defendem, criticam ou simplesmente analisam ou comentam um assunto, uma situação, um acontecimento, uma opinião, uma decisão etc., da atualidade.
· Com base nesses textos, costuma-se pedir ao candidato que se manifeste sobre o assunto ou sobre as opiniões defendidas nos textos dados e apresente a sua opinião a respeito.
Você pode e deve utilizar a fala dos autores para defender sua opinião, mas não pode repetir essa fala como se fosse sua. Para defender seu ponto de vista, você pode e deve utilizar argumentos de jornais e revistas, noticiários, opiniões de que você tenha conhecimento.
Às vezes, a pergunta é explícita: O que você acha de...,? Qual sua opinião sobre...?, Você concorda com...?,
Outras vezes, porém, a pergunta não vem explícita. A proposta pode apenas pedir que você produza um texto argumentativo defendendo uma opinião a respeito do assunto: Dê sua opinião sobre..., Comente a ideia focalizada nos textos, apresentando a sua opinião..., Expresse o que você pensa sobre o assunto etc.
Nesse caso, faça para você mesmo uma pergunta sobre ele: O que você acha da proposta de..., Qual sua opinião sobre a ideia de..., Seria oportuna (adequada, viável, inteligente, acertada etc.) a decisão de...?
Essa pergunta não aparecerá no texto; estará apenas em sua cabeça.
Por exemplo:
Assunto: Nomeação do juiz Sérgio Moro para o Ministério da Justiça
Faça para você mesmo uma pergunta como: Qual sua opinião sobre a nomeação do juiz Sérgio Moro para ministro da Justiça? Você concorda com a nomeação do juiz Sérgio Moro para ministro da Justiça? Seria oportuna a nomeação do juiz Sérgio Moro para ministro da Justiça?
Responda e faça da resposta o PARÁGRAFO-TESE do seu texto. Observe:
A nomeação do juiz Sérgio Moro para ministro da Justiça é (deveria ser, pode ter sido, talvez seja, talvez tenha sido etc.) oportuna. (inteligente, alvissareira, descartada, esquecida, abandonada, uma jogada de mestre etc.)
Esteja atento para assuntos em evidência. Eleições, constitucionalidade, tortura, perda de poder político, fake news, redes sociais, julgamento de políticos estão no auge. Mesmo que o tema não seja especificamente nenhum deles, veja se podem aparecer como argumentos para sua tese.

Importante! Não se esqueça do seguinte:
- Uma boa redação exige do autor duas condições fundamentais, sem as quais nenhum texto alcança a nota desejada: ter o que dizer e saber como dizer.
- Se você tem o que dizer, mas não sabe como dizer, você não diz nada que presta. Se você sabe como dizer, mas não tem o que dizer, você não diz nada que presta.
- Não existe uma receita única para a produção de textos argumentativos. Apresento a sugestão abaixo, tida por muitos dos meus antigos alunos como de grande valia para os seus estudos. Deixo-a à disposição de quem queira conhecê-la.

ESTRUTURA DO TEXTO ARGUMENTATIVO DE VÁRIOS PARÁGRAFOS

PARÁGRAFO-TESE: resposta a uma pergunta real ou imaginada. É a opinião a ser defendida.
A situação tal (a decisão de..., o fato de..., a proposta de..., o entendimento de que... etc.) é (deveria ser..., pode ser..., não é..., não deveria ser..., talvez não seja... etc.) problemática (oportuna, inoportuna, inteligente, equivocada, oportunista, necessária, indefensável, discutível, absurda, adotada, posta em prática, esquecida, apoiada etc.)

PARÁGRAFO-ARGUMENTO 1 Por que você pensa assim?
. Explica-se: essa situação (a decisão de..., o fato de..., tal proposta etc.) traria (provocaria..., compromete..., vai de encontro a..., comprova...., dá suporte a..., é claramente..., é necessária para... etc.)
. A razão de se pensar assim é que tal situação.... etc.
. É fácil entender por quê: a decisão de..., (a ideia de..., a adoção de...etc.) traria (provocaria..., compromete..., vai de encontro a..., comprova...., dá suporte a..., é claramente..., é necessária para...) etc.
- Com base em quê, você diz isso?
. Basta dizer que... Além disso... Pode-se dizer, ainda, que...,
. Acrescente-se a isso o fato de que...
- Como assim?
- E daí?

PARÁGRAFO-ARGUMENTO 2: Que outro motivo você tem para defender a tese inicial?
- Outra razão evidente de que a situação tal (a decisão de..., o fato de..., a proposta de...) deveria ser, pode ser, é, não é, não deveria ser, talvez não seja) oportuna, inoportuna, inteligente, equivocada, necessária, posta em prática, descartada etc.
- Por que você pensa assim?
. A adoção de tal medida....., Apoiar essa situação ... , Pôr em prática essa decisão..., O fato de..., tal proposta traria..., provocaria..., compromete..., vai de encontro a..., comprova...., dá suporte a..., é claramente..., é necessária para... etc.
- Outra prova clara de que apoiar, defender, abandonar, esquecer a ideia de... é o fato de que...
- Defender essa decisão..., a ideia de..., a adoção de... etc. poderia fazer com que..., poderia trazer..., talvez provocasse...
- Com base em quê, você diz isso?
- Como assim?
-E daí?

PARÁGRAFO-ARGUMENTO 3: Que outro motivo você tem para defender a tese inicial?
- Outra razão evidente de que a situação tal, a decisão tal, o fato tal, a proposta tal deveria ser, pode ser, é, não é, não deveria ser, talvez não seja oportuna, inoportuna, inteligente, equivocada, necessária, posta em prática, descartada et.
Por que você pensa assim?
- A adoção de tal medida....., Apoiar essa situação ... , Pôr em prática essa decisão..., O fato de..., tal proposta traria..., provocaria..., compromete..., vai de encontro a..., comprova...., dá suporte a..., é claramente..., é necessária para... etc.
- Outro motivo para que se defenda tal situação, ideia, proposta etc. é que....
- Outra prova clara de que apoiar, defender, abandonar, esquecer a ideia de... é o fato de que...
- Defender essa decisão..., a ideia de..., a adoção de... etc. poderia fazer com que..., poderia trazer..., talvez provocasse...
- Com base em quê, você diz isso?
- Como assim?
- E daí?

PARÁGRAFO-CONCLUSÃO
- Diante de tantas possibilidades, incertezas, temores, contradições, etc. , talvez esteja na hora de pôr em prática, apoiar, esquecer, abandonar, executar etc. a ideia de, a proposta de, o entendimento de...
- Como se vê, não há oportunidade mais oportuna para colocar em prática a proposta de, a ideia de, o entendimento de...
- E você? Diante de tantas possibilidades (ou incertezas, ou incertezas, ou contradições, ou evidências etc.), de que lado você fica?

Atenção 1: Elimine coisas como
- Na minha opinião...., No meu modo de ver..., Acho que..., Penso que...

Atenção 2: Evite palavras e expressões como
- Pois, porque, já que, visto que, uma vez que, haja visto que, sendo que, bem como, o que, onde, o mesmo
- Verbo no gerúndio (terminado em ando, endo indo)

Para finalizar, deixo como amostra o texto extraído do meu Pequeno Manual de Redação: Argumentação, produzido na expectativa de poder contribuir para uma prática mais eficaz na produção de textos argumentativos dos meus alunos.


A PRESENÇA DAS TORCIDAS ORGANIZADAS NOS ESTÁDIOS

   Para a própria sobrevivência do futebol brasileiro, é fundamental que se proíba a presença de torcidas organizadas nos estádios.
   Essa massa de torcedores fanáticos demonstra, quase sempre, uma incomum predisposição para a prática da violência. Raro é o fim de semana em que não se veem, nos principais noticiários, os tristes números da estatística da violência nos campos de futebol. O fato de estarem uniformizados, seja com a camisa de seu time, seja com a da própria torcida, parece fanatizar, ainda mais, essas pessoas e torná-las dispostas a enfrentar qualquer desafio, quaisquer que sejam as consequências. Em grupo, pessoas assim tornam-se irresponsavelmente corajosas, ousadas, irreverentes e chegam facilmente à selvageria, quando a paixão clubista se sobrepõe à razão e ao bom-senso. De fato, esse tipo de torcedor tem causado muitos problemas de violência nos dias de grandes jogos.
   Uma outra justificativa para a proibição de torcedores uniformizados dentro dos estádios são as obscenidades em que se transformaram seus gritos de guerra. Vestidos com as cores de seu time e incentivados pelo anonimato proporcionado pela multidão, esses bárbaros irresponsáveis e indecentes deliram freneticamente e se inebriam com os sonoros palavrões com que parecem alimentar seu instinto sanguinário. É deprimente o espetáculo proporcionado por esse tipo de torcedor àqueles que vão ao estádio pelo puro prazer de estar ali, com a família ou com amigos, à procura de uma diversão sadia e relaxante. Infelizmente, as obscenidades tornaram-se marca registrada de grande parte das torcidas organizadas.
   Proibir de vez a presença de torcidas organizadas nos campos brasileiros é importante, também, pelo fato de que esse tipo de torcedor afasta dos campos as pessoas de bem. Indignados com tanta demonstração de brutalidade e impotentes para impedir tudo o que de mau ocorre nos estádios, os torcedores pacatos, verdadeiros amantes do futebol e admiradores do grandioso espetáculo que esse esporte pode proporcionar, abandonam, pouco a pouco, o hábito de assistir, ao vivo, aos jogos do seu time. Afinal, é muito mais cômodo e seguro acompanhar as partidas pela televisão. É claro que a emoção não é a mesma, mas, em casa, fica-se a salvo de grosserias, agressões e de outras atitudes inconvenientes, que, incompreensivelmente, infestam os campos de futebol. Assim, o melhor mesmo é manter distância dos estádios, onde pessoas assim mandam e desmandam impunemente.
   Como se vê, se não for tomada uma atitude drástica, os clubes brasileiros poderão se tornar vítimas dessa paixão doentia que lhes nutrem essas torcidas (des)organizadas e correrão o risco de até mesmo desaparecer como entidades capazes de despertar no povo a simpatia, a emoção, o amor e o orgulho, que o verdadeiro torcedor cultiva por eles.

Esse texto foi estruturado em cinco parágrafos. De acordo com o tempo e o espaço de que você dispuser, de acordo também com suas condições físicas, você pode optar por um texto com apenas quatro parágrafos.

(Valdemar Carlos de Deus)