As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

domingo, 3 de junho de 2018

REGISTROS QUE EU PREFERIA NÃO TER REGISTRADO

Foto do dia 31 de  maio de 2018. Após conseguirmos aterrar a pista, acreditou-se que era possível recuperá-la. Bom, o resultado está aí. A matéria que comemora a recuperação do Bowl está em http://setelagoas.com.br/noticias/esportes/34669-pista-de-skate-sera-recuperada-atraves-de-acao-conjunta-entre-associacao-e-prefeitura. Dinheiro jogado fora!

Apesar das diversas reportagens a respeito, com a indicação das soluções técnicas, o problema das fezes de garças e biguás continua na orla da Lagoa Paulino. Talvez quando acertar um político, ou a esposa do mesmo, ou a mãe... talvez assim alguém tome mesmo uma providência. Impressionante!

Eutrofização (água verde pela proliferação de algas, que pode levar à mortandade de peixes) e festival de garrafas flutuantes (falta de educação ambiental, falta de qualquer tipo de educação... esse é o retrato de uma grande parcela da população, infelizmente!).
Fotos: Ramon Lamar de Oliveira Junior

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Greves, caminhões, gasolina e sociedade...

Sei que está cheio de opinião por aí, mas vamos lá. Pedrada a gente toma toda hora mesmo. Sei também que um movimento organizado nesse Brasil é algo até utópico. O nível de organização nosso é visível apenas ao microscópio. E sei também que é mais fácil falar depois de tudo o que passamos ou ainda vemos.
Pois bem. Os caminhoneiros têm uma força gigantesca na sociedade. Comparável a eles talvez só os bancários (que está sendo substituídos por caixas eletrônicos) e uma ou outra categoria. Nós, professores, temos força alguma. Até porque somos divididos em escola pública, particular, universidade e vai por aí afora, cada uma com demandas diferentes e sem muitos pontos em comum para criar uma pauta única.
Mas os caminhoneiros poderiam ter feito uma pauta de reivindicações em prol não só deles, mas da sociedade brasileira como um todo. Poderiam ter incluído Diesel, Gasolina, Álcool e Gás de Cozinha nesse acordo. Ou seja, tudo o que a Petrobrás está metendo a mão para compensar os anos de roubalheira que lá aconteceram (e não nos esqueçamos disso!). Certa consideração com produtos alimentícios e hospitalares também seria muito importante pois isso o governo não está nem aí. O governo se preocupou primeiro foi com AEROPORTOS, ou seja, a porta de saída deles. Creio que teriam assim mais apoio da população e que estariam realmente prestando um serviço enorme ao país e a todas as categorias que são indefesas em relação às ações do governo. Quem sabe, na próxima, os líderes dos movimentos tentem pensar no brejo inteiro e não apenas em alguns sapos.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

DESABAFO

Até consigo compreender que as emissoras de televisão ganhem um dinheiro do governo para estimularem tanto o cidadão a não deixar de declarar o Imposto de Renda. Aí fica aquela falação de faltam 10 dias... faltam 5 dias... falta um dia e 4 milhões ainda não entregaram a declaração...
O interessante é que NINGUÉM, nessa hora, discute para onde está indo esse dinheiro que muitas vezes está pagando farras, festinhas, viagens, verbas tal e tal, auxílio tal e tal (chamados de "penduricalhos", como se fossem trocados ou esmolas).
Agora, para piorar, assistindo o #MG2 (MGTV Segunda Edição), vejo até telespectadores dando bronca que o "imposto de renda é coisa séria", que "brasileiro não aprende e deixa pra última hora"...
Tá na hora (aliás, acho que já passou tem bastante tempo) de nos ajuntarmos no dia Primeiro de Janeiro de Cada Ano e estabelecermos metas do tipo: "Ou o GOVERNO acaba de uma vez com essa imoralidade do FORO PRIVILEGIADO ou ninguém vai pagar o IR"; "Ou o GOVERNO melhora sensivelmente a SAÚDE PÚBLICA (ou EDUCAÇÃO PÚBLICA) (ou SEGURANÇA PÚBLICA) ou ninguém vai pagar o IR". 
É muito confortável para o GOVERNO (FEDERAL, ESTADUAL OU MUNICIPAL) jogar dinheiro fora que é arrecadado com toda essa pressão. E ainda surgem papagaios-de-pirata para querer aparecer dando bronca em quem deixou para a última hora. É nessa hora que a gente percebe que certas pessoas não têm uma vassoura ou uma enxada em casa... sempre há um cômodo para varrer ou um lote para capinar!!!

domingo, 15 de abril de 2018

Número de Casos de Dengue, Chikungunya e Zika no Brasil - Novos dados de 2018

Os dados de dengue e chikungunya estão no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – Online (Sinan Online), e os de Zika, no Sinan-Net. Os dados de população dos anos de 2015 e 2016 foram estimados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para o ano de 2017, foram utilizadas as estimativas populacionais de 2016.


Dengue
Em 2016, entre a SE (Semana Epidemiológica) 1 e a SE 52, foram registrados 1.483.623 casos prováveis de dengue, e em 2015, 1.688.688. Em 2017, até a SE 52, foram registrados 252.054 casos prováveis de dengue no país, com uma incidência de 122,3 casos/100 mil hab., e outros 247.206 casos suspeitos foram descartados. Em 2017, até a SE 52, a região Nordeste apresentou o maior número de casos prováveis (86.386 casos; 34,3%) em relação ao total do país. Em seguida aparecem as regiões Centro-Oeste (78.729 casos; 31,2%), Sudeste (59.601 casos; 23,6%), Norte (22.660 casos; 9,0%) e Sul (4.678 casos; 1,9%). 
Em 2018, até a SE 10, a região Centro-Oeste apresentou o maior número de casos prováveis (19.422 casos; 37,4%) em relação ao total do país. Em seguida aparecem as regiões Sudeste (18.013 casos; 34,7%), Nordeste (7.444 casos; 14,3%), Norte (4.644 casos; 8,9%) e Sul (2.407 casos; 4,6%). 

Febre de chikungunya
Em 2016, SE 1 a SE 52, foram registrados 277.882 casos prováveis de febre de chikungunya, e em 2015, 38.499. Em 2017, até a SE 52 (1/1/2017 a 30/12/2017), foram registrados 185.737 casos prováveis de febre de chikungunya no país, com uma incidência de 90,1 casos/100 mil hab.; destes, 151.966 (81,8%) foram confirmados e outros 52.285 casos suspeitos foram descartados. Em 2017, até a SE 52, a região Nordeste apresentou o maior número de casos prováveis de febre de chikungunya (142.131 casos; 76,5%) as regiões Sudeste (22.984 casos; 12,4%), Norte (16.570 casos; 8,9%), Centro-Oeste (3.679 casos; 2,0%) e Sul (373 casos; 0,2%). 
Em 2018, até a SE 10, a região Centro-Oeste apresentou o maior número de casos prováveis de febre de chikungunya (7.096 casos; 49,8%) em relação ao total do país. Em seguida aparecem as regiões Sudeste (3.642 casos; 25,5 %), Nordeste (1.844 casos; 12,9 %), Norte (1.559 casos; 10,9%) e Sul (120 casos; 0,8%). 

Febre pelo vírus Zika
Em 2016, SE 1 a 52, foram registrados 216.207 casos prováveis de febre pelo vírus Zika no país.  Foram confirmados laboratorialmente 8 óbitos por vírus Zika, a saber: Rio de Janeiro (4), Espírito Santo (2), Maranhão (1) e Paraíba (1). Em 2017, até a SE 52, foram registrados 17.452 casos prováveis de febre pelo vírus Zika no país, com taxa de incidência de 8,5 casos/100 mil hab.; destes, 8.839 (50,6%) foram confirmados. A análise da taxa de incidência de casos prováveis de Zika (número de casos/100 mil hab.), segundo regiões geográficas, demonstra que as regiões Centro-Oeste e Norte apresentam as maiores taxas de incidência: 39,3 casos/100 mil hab. e 12,4 casos/100 mil hab.,
respectivamente. Entre as UFs, destacam-se Mato Grosso (65,0 casos/100 mil hab.), Goiás (57,8 casos/100 mil hab.), Tocantins (44,9 casos/100 mil hab.) e Roraima (39,5 casos/100 mil hab.).
Em 2018, até a SE 10, foram registrados 1.174 casos prováveis de febre pelo vírus Zika no país, com taxa de incidência de 0,6 caso/100 mil hab.; destes, 197 (16,8%) foram confirmados. A análise da taxa de incidência de casos prováveis de Zika (número de casos/100 mil hab.), segundo regiões geográficas, demonstra que as regiões Centro-Oeste e Norte apresentam as maiores taxas de incidência: 2,4 casos/100 mil hab. e 1,0 caso/100 mil hab., respectivamente. Entre as UFs, destacam-se Tocantins (4,2 casos/100 mil hab.), Mato Grosso (3,8 casos/100 mil hab.) e Goiás (3,4 casos/100 mil hab.).


segunda-feira, 2 de abril de 2018

Engarrafamento e "bons motoristas"

Engarrafamento monstro ontem entre Paraopeba e Sete Lagoas. Dizem que foi por causa de uma carreta que quebrou e demorou para ser removida. Enquanto os motoristas que respeitam as leis passavam raiva, os "bons motoristas", os "espertos", os que "gostam de levar vantagem em tudo" aproveitavam para dirigir quilômetros pelo acostamento. Nada de PRF ou Via040 para olhar pelo que estava acontecendo. Retrato do Brasil!



O veículo flagrado trafegando pelo acostamento é autuado por infração gravíssima, que corresponde à multa de R$ 2.640,00 e em caso de ultrapassagem pelo acostamento, o valor da multa é de R$ 4.400,00. Isso sem contar os 7 pontinhos retirados da carteira!!!

terça-feira, 6 de março de 2018

FRAUDE NO 1o VESTIBULAR DE MEDICINA EM SETE LAGOAS MOSTRA FRAGILIDADE DO SISTEMA DE PROVAS

Link para matéria: http://portalsete.com.br/?p=24304

Filho de vereador de outra cidade (Nazareno-MG) foi beneficiado com fraude no vestibular de Medicina em Sete Lagoas. Felizmente a fraude foi descoberta a tempo. Uma quadrilha já bastante conhecida (mas que continua atuando...) infiltrou um "candidato" com documentação falsa que fez as provas no lugar do real candidato.  Candidato e um dos membros da quadrilha estão presos (resta saber se permanecerão presos!).
É por isso que um vestibular tão sério, tão visado e tão concorrido como o de Medicina não pode se restringir a uma pequena prova de 32 questões e uma redação. É necessário que ocorra uma avaliação mais robusta (até para dificultar a logística dessas quadrilhas), uma primeira etapa com um maior número de questões e uma segunda etapa com questões discursivas que praticamente eliminam essa possibilidade de alguém fazer prova por outra pessoa (ou de passar respostas por ponto eletrônico), pois a comparação da grafia é suficiente para saber que houve uma fraude. 
Essa comparação pode ser facilmente feita exigindo-se no ato da matrícula ou das primeiras aulas que os aprovados redijam um texto que será comparado com a grafia durante as provas. O registro das impressões digitais e análise por pessoa capacitada, permite também a identificação desse tipo de fraude.
A parte discursiva, aliada a uma equipe de aplicação atenta (não só de aplicação, mas também toda a equipe que atua nas inscrições, segurança e matrícula), com gente que entende do assunto para gerenciar o sistema é que garante a lisura do processo. Também a correção rápida das questões de múltipla escolha da primeira etapa permite levantar situações discrepantes e jogar luz sobre "candidatos" suspeitos e que possam ser observados mais de perto durante a segunda etapa.
Ah, o precinho? R$ 60.000,00!!!
Lamentável o acontecido!
No mais, registre-se nossos parabéns à Delegacia de Falsificação e Defraudações de Sete Lagoas, com o apoio da Delegacia de Homicídios, sob o comando da delegada Fernanda Mara de Assis Costa e contando com os investigadores Junio Maurício, Leonardo Tinoco, Pedro, Magno, Janaína Jardim, Wendel Felipe e o perito Loredo, fizeram levantamentos sobre o vestibular, que apontaram a fraude na realização do mesmo.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

PREPARAÇÃO MEDICINA 2018

Prezados(as),

seguem informações definitivas sobre o Curso Preparação Medicina 2018

Local das Aulas: Colégio Caetano
Início: 01 de março de 2018
Término: 8 de novembro de 2018
Recesso no mês de julho
Dia e horário: Quintas-feiras de 14h30 às 17h45

Pagamentos:
 Matrícula I (1a parte da apostila): Em fevereiro (R$ 30,00) - Corresponde a Apostila 1 (Bio + Qui)
 Março: R$ 80,00
 Abril:  R$ 80,00
 Maio:  R$ 80,00
 Junho:  R$ 80,00 
 Matrícula II (2a parte da apostila): Em junho (R$ 30,00) - Corresponde a Apostila 2 (Bio + Qui)
 Agosto: R$ 80,00
 Setembro: R$ 80,00
 Outubro: R$ 80,00 

A matrícula poderá ser feita no Colégio Caetano a partir do dia 05 de fevereiro. O número de vagas é de 30. Preferencialmente será feita a matrícula para alunos que desejam fazer as duas disciplinas (Biologia + Química). Outros casos serão analisados se houver vagas disponíveis.

Obrigado!

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

DISCIPLINA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

REPUBLICANDO DO FACEBOOK...

Vai um recadinho aqui. Este semestre vou dar a Disciplina de Arborização Urbana na Faculdade Santo Agostinho. São apenas 1h40min por semana. Acho que vai ser na noite de quinta-feira. 
A programação envolve reconhecer algumas espécies mais importantes, aprender sobre a história da arborização urbana, discutir sobre plantas nativas e exóticas, algumas técnicas de manejo (plantio, poda, compra de mudas...), importância da arborização e principalmente vamos ENSINAR A NÃO PLANTAR ÁRVORES DE GRANDE PORTE A DOIS METROS DOS POSTES DE ILUMINAÇÃO
Gente, arborização urbana é importante, um bom trabalho está sendo feito na área central (que é importante que seja mantido e cuidado de maneira correta). Contudo, erros primários estão sendo cometidos. 
Tô falando sério! Deve ser baratinho para fazer só essa disciplina. Acredito que a disciplina também será ofertada em outras faculdades, por outros professores. Por favor, quem tiver função decisória nesse assunto bem que poderia fazer o curso. 
Ah, se a questão é horário e se houver um bom número de interessados que trabalham nesse setor público, acho que consigo com minha coordenadora para oferecer esse curso num dia da semana à tarde! Dá pra fazer tudo em 3 meses! A arborização urbana vai agradecer. 
Depois vocês podem fazer outros cursos, especializações, mestrado, doutorado... mas tem que começar!!!

PS.: A foto ficou feia porque deu um problema no armazenamento da imagem no celular. Mas mais feia está a situação: oitizeiro (que chega a mais de 10 metros de altura - tem gente que acha que fica sempre pequeno e bonitinho), sem tutoramento (todas as plantadas estão e olha que ali venta muito), a dois metros do poste de iluminação e do lado de uma "caixa de visita" da CEMIG. Para aproveitar o serviço que já foi feito, sugiro transplantar essa muda e plantar um hibisco ou uma espirradeira no local.

PS.: Ah... antes que digam que é implicância. Ontem, por volta desse horário, enviei a imagem com texto ao Secretário de Meio Ambiente sugerindo a mudança da muda plantada e informando que sei que esse é o típico problema operacional. Sei que ele e o prefeito não são culpados diretos do assunto e que as pessoas que estão na parte operacional têm que ter mais conhecimento técnico para o serviço que são designadas.

domingo, 7 de janeiro de 2018

Se nós, das "SETE LAGOAS", não nos preocuparmos com a água...

Assembleia Legislativa de Minas Gerais realizou a Audiência Pública em dezembro último "Problemas de Abastecimento de Água em Comunidades da Serra da Moeda". A questão envolve a região de Brumadinho e outras cidades próximas. As maiores acusações lá são contra a Coca-Cola e sobre o Distrito Industrial próximo que, como sempre, parece estar com uma outorga de água superdimensionada, desrespeitando os usos que devem ser os preponderantes, em especial o abastecimento humano. Enquanto isso, coincidentemente, a Lagoa Grande... uai... cadê ela? (Abaixo, imagem de satélite mostrando a evolução da situação da Lagoa Grande... na mesma escala!)

Link para matéria sobre a Audiência Pública:  clique AQUI. (Resultados inconclusivos??? Sei...)

Evolução da situação da Lagoa Grande - Sete Lagoas - MG

Localização das principais lagoas de Sete Lagoas.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

PREPARAÇÃO MEDICINA 2018



Resolução e comentários de mais de 350 páginas de questões abertas de Química e Biologia para garantir o máximo de acerto para os que querem enfrentar o Vestibular de Medicina, seja pelo ENEM, seja pelas outras faculdades!!! 
Você pode reservar sua vaga pelo e-mail professorramonlamar@gmail.com agora em janeiro, sem compromisso, e confirmá-la em fevereiro. 
As aulas começarão dia primeiro de março e irão até o final de outubro (com um recesso em julho). Para mais informações, use o e-mail acima. 
As aulas serão em sala especial do Colégio Caetano. Os alunos do Terceirão do Colégio Caetano pagarão apenas o material didático. Para os demais alunos o preço será bem acessível: apenas R$ 80,00 por mês (mar/abr/mai/jun/ago/set/out). Nos meses de fevereiro e julho é que serão pagas as apostilas (são dois volumes e ainda não temos o preço pois dependemos de uma resposta da gráfica para garantir o menor custo para os alunos). 
O Colégio Caetano está preparando uma sala especial para a realização deste curso. O total de alunos na turma deve ser de no máximo 30 para garantir a qualidade das aulas.


segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

domingo, 17 de dezembro de 2017

Feliz Natal e Feliz 2018

Mais um ano se aproxima do final e já estamos ansiosos pelo ano que irá se iniciar. Pedimos muita luz ao povo brasileiro e principalmente para os políticos, pois este ano poderá ser decisivo para as nossas instituições. Estamos à beira de um período muito bom, mas estamos à beira de um abismo também. 


sábado, 4 de novembro de 2017

MEC deixa candidatos malucos na véspera do ENEM.

MEC divulga vídeo sobre "que roupa vestir na prova do ENEM" e deixa candidatos malucos achando que é dica para um provável tema de redação do tipo: "Caminhos para combater a homofobia no Brasil".(https://www.instagram.com/mineducacao/)


A suspeita se fundamenta também pelos dois últimos temas apresentados nas provas do ENEM/2016 em primeira e segunda aplicação. Veja abaixo...


quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Lista de possíveis temas de Redação para o ENEM: assuntos que valem uma discussão.

A gente não quer só comida: Diversão e arte.
A justiça dos pobres e a justiça dos ricos. A justiça é cega?
Acessibilidade para quem precisa
Agropecuária e seus impactos ambientais
Alimentação Saudável
Analfabetismo científico como entrave para o desenvolvimento do país
Analfabetismo no Brasil
Anonimato virtual e crime
Apagão: uma risco que sempre nos rodeia
Redes sociais e aplicativos de relacionamento: e a realidade, como fica?
Assédio Moral
Assédio Sexual
Ativismo em Redes Sociais
Black blocs: entre o protesto legítimo e o vandalismo inustificável
Bullying e cyberbullying
Caminhos para se combater a homofobia no Brasil.
Caminhos para se combater a violação dos direitos humanos no Brasil
Como combater as pequenas e grandes corrupções no Brasil
Como estimular a formação de jovens leitores.
Conceito de família no século XXI
Conflito de gerações entre pais e filhos
Cotas nas universidades e no mercado de trabalho
Dependência: das drogas à tecnologia
Desafios da Reforma Agrária
Desafios do aprendizado em um mundo conectado
Desafios do Big Data: segurança e privacidade das informações
Desigualdade de oportunidades: a questão étnica e de gênero
Destinação adequada do lixo eletrônico
Doação de órgãos e tecidos
Epidemias e o risco para a população
Espaços de convivência
Exercício da cidadania dos deficientes físicos no Brasil
Fuga de cérebros do Brasil
Gestão dos recursos hídricos no Brasil
Há limites para o humor e para a arte?
Intolerância ideológica em meio à construção da democracia brasileira
Intolerância religiosa (acerto do blog no ENEM 2016)
Liberdade de expressão, mídia e censura
Maus tratos de animais
Mercado de trabalho no Brasil e novas profissões
Métodos terapêuticos experimentais: uma saída para doenças ou um comportamento temerário?
Mobilidade Urbana
Moda e individualidade
Novos modos de educar
O limite da estética e da saúde
O lixo plástico e sua destinação
O perigo do "comportamento de massa"
Obesidade infantil
Obsolescência programada e consumismo
Os desafios da comunicação e a sobrevivência de rádios e jornais escritos
Os direitos das domésticas
Papel do esporte na construção social brasileira
Parto normal x cesariana
Perpetuação do trabalho escravo no Brasil no século XXI
Políticas de prevenção a desastres ambientais no Brasil
Popularização do Teatro como resgate da cultura
Popularização dos Museus como resgate da cultura
Redução da maioridade penal
Religião e seus impactos na sociedade
Sedentarismo
Sistema prisional brasileiro
Sustentabilidade da economia e o aquecimento global
Tabagismo
Tráfico de animais
Trotes violentos nas universidades
Uso de animais em experimentação
Uso e abuso de medicamentos no Brasil
Uso racional da água e de outros recursos
Violência nos estádios
Violência urbana
Voluntariado e Transformações Sociais

Caminhos para se combater a homofobia no Brasil, um tema bem possível.
Fonte: Antônio Cruz/ Agência Brasil

A FARSA DAS MULTAS CONTRA A SAMARCO

Neste próximo domingo (05/11/17) completam-se dois anos do "acidente" do rompimento das barragens da SAMARCO em Mariana. Um crime, praticamente premeditado pela péssima engenharia utilizada nas ampliações das barragens, que ceifou a vida de 19 pessoas e de mais de 600 km do Rio Doce. Afetou, ou seja POLUIU, uma área de quase 5.000 hectares.
Foram 68 multas aplicadas entre as do Governo Federal e dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, totalizando pouco mais de 550 milhões de reais. E muito se falou em penalidades que chegariam a 100 bilhões de reais, entre multas e compensações... conversinha fiada que graças à "agilidade" do nosso Judiciário pode virar pó... ou lama! E dessas 68 multas, 67 estão sob recurso pela mineradora. Apenas uma parcela (das 60) de uma das multas foi paga, algo em torno de 6 milhões de reais.

Rio Doce após o desastre ambiental da Samarco. Fonte: www.tvjurere.com
Num país onde não se pode acreditar em quase mais nada, não é de se espantar que a coisa esteja neste pé. Ingênuos somos todos nós. No mínimo, a Samarco ainda deve estar conseguindo lucrar com o desastre, não sei como, mas não duvido de nada.
Abaixo temos trechos da reportagem produzida pelo El País, sobre o assunto. Trechos em negrito foram assinalados por mim:
Segundo o Ibama, o total de penalidades aplicadas pelo órgão federal à Samarco totaliza 344,85 milhões de reais. A última delas é de fevereiro deste ano e se deve ao fato da mineradora deixar de atender a exigências legais após ser notificada pelas autoridades. Foi a quarta multa aplicada em 2017 relacionada ao rompimento da barragem, por situações que incluem, por exemplo, a entrega em desconformidade do que foi fixado pelo Ibama em um programa de busca e resgate de fauna afetada pela lama.
A situação não é diferente nos órgãos ambientais estaduais, que aplicam sanções adicionais às do Ibama. Dados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD) de Minas Gerais apontam que desde o desastre foram aplicadas 38 multas à mineradora, totalizando 205,86 milhões de reais. Destas, 37 estão em fase de recurso. Só uma, a primeira, aplicada logo em novembro de 2015 e chamada pelo órgão de "multão" por se referir ao rompimento da barragem em si, começou a ser paga. O valor original era de 112,7 milhões, que acabou atualizado para 127,6 milhões. A Samarco parcelou a dívida em uma entrada de 6,38 milhões — o único valor pago do total das multas aplicadas pelos dois órgãos até agora — e outras 59 parcelas que, em média, custarão dois milhões de reais cada. Apenas para efeito de comparação, o lucro líquido de uma das donas da mineradora, a Vale, foi de 7,89 bilhões de reais nos três primeiros meses deste ano, um valor 25% maior que o mesmo período de 2016.
A Samarco afirma que recorre das multas por entender que "há aspectos técnicos e jurídicos nas decisões que precisam ser reavaliados e, por isso, aguarda a decisão administrativa das defesas apresentadas". A empresa afirmou, ainda, que em 2016 aplicou dois bilhões de reais nas ações de reparação e compensação assumidas em um Termo de Transação de Ajustamento de Conduta (TTAC), firmado em 2016 com os governos federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo. "Outros investimentos continuam sendo feitos pela Fundação Renova, entidade sem fins lucrativos que assumiu em agosto de 2016 a responsabilidade de implementar todos os programas do TTAC".
Morosidade das punições: O não pagamento das multas é mais um exemplo de como o desastre tem sido punido a passos lentos. O processo criminal, que pode levar para a cadeia diretores da Samarco e de suas proprietárias, a Vale e a BHP Biliton, foi paralisado pela Justiça Federal, para a análise de um pedido da defesa que argumenta que houve o uso de provas ilegais no processo. Segundo o juiz do caso, que deferiu a suspensão, as alegações da defesa, se comprovadas, podem acabar por cancelar o processo, levando-o à estaca zero. A ação criminal julga a denúncia do Ministério Público Federal, que acusou a Samarco, a Vale, a BHP Billiton e 21 diretores das três empresas por suspeita de homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar), inundação, desabamento, lesões corporais graves e crimes ambientais em decorrência da tragédia.
Dois destes diretores — o ex-presidente da Samarco Ricardo Vescovi e o ex-diretor de operações da mineradora Kleber Terra — alegaram à Justiça que a investigação usou informações de grampos telefônicos coletadas fora do período autorizado pela Justiça. O processo está suspenso até que as companhias telefônicas informem o período exato de coleta das informações. O procurador-geral da República Eduardo Aguiar nega que os grampos duraram para além do prazo autorizado e diz que a confusão de datas pode se dever à demora na notificação da Justiça às companhias telefônicas para o início da interceptação telefônica, cujo prazo de vigência é de 15 dias.
Aguiar é um dos oito procuradores da força-tarefa montada pelo MPF para investigar o desastre da barragem de Fundão. Eles também são responsáveis pela ação civil pública movida contra a empresa, que pode gerar um ressarcimento estimado em 155 bilhões em compensações. Ela também está parada para a confecção dos termos do acordo, planejado para sair em outubro, véspera do segundo aniversário da tragédia —ele é negociado há pelo menos um ano.
Também foram temporariamente suspensas na Justiça comum de Minas Gerais, em julho, milhares de ações judiciais contra a Samarco de pessoas que afirmam terem sido afetadas pelo rompimento da barragem para que o Judiciário analise um pedido da empresa. A mineradora quer que a Justiça aplique uma medida chamada de Incidente de Demanda Repetitiva nos processos, o que faria com que todas as causas tenham a mesma solução, independentemente da demanda. Segundo afirmou ao site G1 a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Governador Valadares, onde estão 50.000 processos parados, a medida já foi adotada no Espírito Santo e o valor estabelecido para as indenizações foi de 1.000 reais. A Samarco afirma que não vai comentar sobre as ações na Justiça.
É, meus amigos, meio ambiente aqui no Brasil é tratado dessa forma. Muitas vezes até em segredo de justiça apesar da lei indicar que deve se dar ampla visibilidade aos processos. Aqui mesmo em Sete Lagoas temos um caso desses em relação à desmatamento em área protegida da Serra de Santa Helena.

Pescador observa a situação do Rio Doce, logo após o desastre. Fonte: https://ogimg.infoglobo.com.br
Quando a gente escuta e lê sobre alguns casos emblemáticos que nos assustam, raramente pensa que eles podem estar ocorrendo aqui, pertinho da gente.

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Mais uma lagoa desaparecendo???

Alguns moradores do entorno da Lagoa do Brejão (Lagoa do Guilton) estão preocupado com o recuo das margens. Segundo eles, mesmo em períodos anteriores de seca nunca se viu um recuo tão pronunciado. A suspeita está no excesso de poços de retirada de água nas proximidades e na retirada direta de água da lagoa.
Seguem-se as imagens... aguardemos as explicações...


(Fotos enviadas por moradores do entorno da lagoa.)