As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

domingo, 6 de novembro de 2011

Biologia no Templo 8 (num domingo pela manhã)

A biologia está em todo lugar. Hoje, na conclusão de parte de um trabalho de educação ambiental no Templo 8, confirmei mais uma vez essa máxima.
Abaixo, ramos e flor da trapoeraba-roxa (Tradescantia pallida). A trapoeraba é muito citada nos livros de biologia como um excelente material para a observação de células vegetais. Retira-se a fina epiderme que recobre a folha, coloca-se uma gotinha de água na lâmina de microscopia, a epiderme, a lamínula e pronto... é só observar. As células vegetais e os estômatos surgem com absoluta nitidez.

Ramos e flor da trapoeraba-roxa. Fotos: Ramon L. O. Junior
Epiderme da trapoeraba-roxa ao microscópio mostrando as células epidérmicas e os estômatos (aberturas para trocas gasosas). Fonte: http://biog-1101-1104.bio.cornell.edu/BioG101_104/tutorials/botany/images/stomata1.JPEG
A imagem seguinte é a exúvia (exoesqueleto abandonado) da última muda do estágio de ninfa para o estágio adulto da cigarra. As fases jovens da cigarra (ninfas) vivem no subsolo, alimentando-se da seiva das raízes das plantas. Ao completarem essa fase do ciclo, sobem por um tronco ou mourão durante a madrugada, param, rompem o exoesqueleto dorsal e emergem como cigarras adultas prontinhas para cantar. Interessante é a lenda de que o esqueleto abandonado é uma cigarra que "estourou" de tanto cantar, lenda essa comum entre nós e diversos outros povos no mundo.

Exúvia de cigarra (Ordem Homoptera). Observe a terra que ainda cobre partes do corpo e os fios brancos no dorso. Os fios são pedaços das traqueias, órgãos respiratórios dos insetos, cujo revestimento quitinoso também é trocado durante a muda. Sei não, deve ser um pouco dolorido isso. Seria como se trocássemos o revestimento da nossa árvore respiratória até os brônquios. Melhor nem pensar. (Foto: Ramon L. O. Junior)
Ramon Lamar de Oliveira Junior

PS.: Para saber mais sobre a diversidade de cigarras do Brasil, visite: http://cigarrasbrasileiras.blogspot.com/.

Um comentário:

  1. Ramon. voce disse ser um fotografo amador. mas suas fotos são dignas de qualquer livro/revista científica... Parabens. Schirlei.

    ResponderExcluir

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.