As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Coruja buraqueira

Casal de corujas buraqueiras ou corujas-do-campo (Athene cunicularia, anteriormente Speotyto cunicularia) junto ao estacionamento do Shopping de Sete Lagoas.
"As corujas-do-campo são mais ativas durante o dia. Vivem nos campos, pastos, em áreas alteradas do cerrado. Constroem seus ninhos no chão, em buracos. São capazes de atacar, em voos rasantes, outras espécies e pessoas que se aventurarem como intrusos nas regiões próximas aos seus filhotes, nestas pequenas tocas."     blog VERDE VIDA
No trecho acima, escrito pelo colega Cláudio Gontijo, está implícita a questão fundamental da relação do homem com os outros animas e plantas: de quem é o espaço físico? 
O crescimento das cidades sempre aconteceu de forma a cumprir o entendimento que "o planeta é do homem e nos foi dado como presente". Mesmo que na tradição judaico-cristã tenhamos sido "expulsos do paraíso", acreditamos que a natureza foi criada para o nosso desfrute e deleite. Todos os seres vivos devem curvar-se ante a superioridade humana.
Os tempos mudaram, as convicções que temos hoje a respeito das intricadas relações que existem na "teia da vida" mostram que estávamos completamente equivocados. O caminho que percorremos - desde os estudos cataclísmicos da década de 1960 sobre os "limites do crescimento" até as conclusões atuais sobre o "aquecimento global" - mostra que erramos feio em achar que tínhamos o perfeito domínio de tudo.
Não é apenas uma questão de "salvem o bichinho". É a questão de preservar também as nossas condições de sobrevivência.

Quando vamos aprender a conhecer nossos limites? Quando vamos começar a desarmar a bomba-relógio que ativamos?

Fotos e texto: Ramon Lamar de Oliveira Junior

4 comentários:

  1. Esta espécie também se encontra próxima ao campo do democrata.
    Abraços,
    Alessandra

    ResponderExcluir
  2. O texto é oportuno, Professor. Boas imagens!!

    Onde estarão os limites da ação humana, gananciosa ?

    Quais serão os limites para a região da Lagoa da Chácara ?

    Abraço.

    Obs: Será que não aceitariam uma exposição nossa, após um bom trabalho na região da Lagoa da Chácara, de fotos, no Casarão ? Evento (pertinente) neste período de lutas. Já pensou em uma semana com vários acontecimentos culturais (Teatro-P.do Boi, Poemas, Pinturas, Concursos de redação nas escolas, música)relacionados à causa da Lagoa?

    ResponderExcluir
  3. Cláudio,
    biólogo é uma raça mesmo, não?
    Eu estou pensando exatamente nisso, em fazer um evento alternativo, com tempo amplo para poder explicar para a população e para os políticos os motivos que nos levam a ser contra o empreendimento.
    Você está convidado a se juntar a nós, claro!!!!!!
    Abração.

    ResponderExcluir
  4. Impressionante Ramon, a inspiração pra escrever esses posts deve ser um dom divino, ou pelo menos sempre explicita meus pensamentos sobre suas fotos hehe. Parabéns, ótimo post.
    Abraço

    ResponderExcluir

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.