As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

domingo, 16 de junho de 2013

Sugestões para a Lagoa da Boa Vista.

Em postagem anterior, calculei o volume de sedimentos a ser removido (em caso de desassoreamento da Lagoa da Boa Vista) em cerca de 1500 viagens de caminhão. Contudo, tal gasto pode ser minimizado se:

1) Parte dos sedimentos for usada para a proteção/construção dos taludes (em torno dos gabiões que estão sendo construídos).
2) Parte dos sedimentos for usada para aumentar a "Ilha dos Macacos". Ali sugiro a plantação de uma vegetação de beleza e de fácil cuidado. Poderia ser feito um grande maciço de caliandra rosa (Calliandra brevipes, veja a foto abaixo de um exemplar da Lagoa Paulino) e mais algumas plantas que produzem flores e frutos que atraiam pequenos pássaros e beija-flores, como a "fruta do sabiá" (Acnistus arborescens) e a lanterna-chinesa (Abutilon striatum).

Fruta do sabiá. [http://ibc.lynxeds.com/files/pictures/DSC09084.jpg]
Caliandra rosa (Foto: Ramon L. O. Junior)
Lanterna chinesa (http://www.ceapdesign.com.br/images/familias_botanicas/malvaceae/abutilon_striatum.jpg)

Outra questão que muito nos preocupa é o do futuro peixamento da lagoa. Seria importante aproveitar o momento para começar a fazer o peixamento de nossas lagoas apenas com espécies nativas regionais. Basicamente, no primeiro ano, deveria ser introduzido o lambari (piaba, Astianax) e o barrigudinho (lebistes ou Poecilia), de grande ajuda no combate a larvas de mosquitos. A aquisição dessas espécies é simples e nem precisaria ser investido muito dinheiro pois temos muitas piabas em outras lagoas e também o barrigudinho (mas atenção: cuidado para não introduzir tilápias!). Um pequeno esforço de captura poderia ser feito para colocá-las no primeiro ano.  No segundo ano, deveriam ser introduzidas traíras (Hoplias malabaricus), também de fácil aquisição, que são predadoras das piabas e garantiriam um equilíbrio ambiental. Importante também é decretar a completa proibição da adição de outras espécies não nativas da região, e que qualquer outra introdução deveria ser precedida de amplo estudo e debate.

Lambari ou piaba [Foto: Ramon L. O. Junior]
Traíra [Foto: Ramon L. O. Junior]
Barrigudinho: http://estatico.primeiraedicao.com.br/
Ramon Lamar de Oliveira Junior
Biólogo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.