As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Alguns cálculos para desassoreamento de lagoas: Intenções x Matemática

Considerando uma remoção de apenas 20 centímetros de material do fundo (sedimento) e que um caminhão transporta 12 metros cúbicos:

LAGOA DA BOA VISTA (SETE LAGOAS - MG)

ÁREA APROXIMADA: 92.500 metros quadrados
ALTURA DO SEDIMENTO REMOVIDO: 0,20 metros
VOLUME DE SEDIMENTO A SER REMOVIDO: 18.500 metros cúbicos
NÚMERO DE VIAGENS NECESSÁRIAS PARA O TRANSPORTE: 1540 viagens
(Uma sugestão no caso da Lagoa da Boa Vista seria usar parte do sedimento para ampliar a "Ilha dos Macacos", em área e em altura. Ali poderia ser feita a plantação de vegetação de fácil cuidado, inclusive espécies com frutos para atração de pássaros pequenos.)

LAGOA PAULINO (SETE LAGOAS - MG)

ÁREA APROXIMADA: 105.600 metros quadrados
ALTURA DO SEDIMENTO REMOVIDO: 0,20 metros
VOLUME DE SEDIMENTO A SER REMOVIDO: 21.100 metros cúbicos
NÚMERO DE VIAGENS NECESSÁRIAS PARA O TRANSPORTE: 1750 viagens

PARTE DA LAGOA (REPRESA DA PAMPULHA - BH) (trechos mais assoreados conforme as imagens de satélite)

ÁREA APROXIMADA: 700.000 metros quadrados
ALTURA DO SEDIMENTO REMOVIDO: 0,20 metros
VOLUME DE SEDIMENTO A SER REMOVIDO: 140.000 metros cúbicos
NÚMERO DE VIAGENS NECESSÁRIAS PARA O TRANSPORTE: 11.700 viagens

Os cálculos são aproximados mas não estão superestimados. Os processos, à luz dos cálculos, são muito complexos e atingem a maior complexidade quando se imagina a situação da Pampulha. Correndo por fora, vem a questão ambiental: peixes, anfíbios e répteis (principalmente cágados), além de alguns mamíferos e alguns habitantes pertencentes ao grupo dos exóticos (no caso da Lagoa Paulino, temos o problema da destinação dos pirarucus). 
A questão é multidisciplinar e não pode ser vista apenas pela ótica da biologia ou pela ótica da engenharia. E fazer as duas áreas "conversarem" continua sendo um problema árduo. Sem contar que essa "conversa" é acompanhada bem de pertinho pelos ouvidos das leis ambientais.
E devemos lembrar ainda que nada será duradouro se as causas do assoreamento não forem combatidas. Aliás, isso deveria preceder qualquer outra ação.
Vamos lá, vamos ver como saímos dessa.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

Abaixo, duas notícias da COPASA sobre a obra de despoluição da PAMPULHA. O prometido em 2009 para estar pronto em 2012 não foi feito agora...

Notícia de 2009: prevendo a interceptação do esgoto em 2012, com investimentos de 60 milhões.

Notícia de 2013: No último parágrafo as interceptações serão concluídas até dezembro de 2013. E os investimentos de 60 milhões já pularam para 102 milhões...

2 comentários:

  1. Caro Ramon, sou Eng. Agron. e estou realizando projetos com intenção de executar limpeza de lagoas no Espírito Santo.
    Como sabe há necessidade de ser autorizado pelo Órgão Ambiental do Município, através de estudos e projetos.
    Assim lhe pergunto se você possui alguns artigos, estudos e bibliografias sobre o tema, que possa me passar.
    Agradeço desde já sua atenção.
    Cristiano Zon

    ResponderExcluir

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.