As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

sábado, 23 de outubro de 2010

Os dois buritis da Lagoa Paulino

Os dois buritis da Lagoa Paulino iluminados pelo sol de fim de tarde.
(Fotografados da Rua Paulo Frontin)

BURITI PERDIDO
Afonso Arinos

Velha palmeira solitária, testemunha sobrevivente do drama da conquista, que de majestade e de tristura não exprimes, venerável epônimo dos campos!
No meio da campina verde, de um verde esmaiado e merencório, onde tremeluzem às vezes as florinhas douradas do alecrim do campo, tu te ergues altaneira, levantando ao céu as palmas tesas, - velho guerreiro petrificado em meio da peleja!
Tu me apareces como o poema vivo de uma raça quase extinta, como canção dolorosa dos sofrimentos das tribos, como o hino glorioso de seus feitos, a narração comovida das pugnas contra os homens de além!
Por que ficaste de pé, quando teus coevos já tombaram?
Nem os rapsodistas antigos, nem a lenda cheia de poesia do cantor cego da ilíada comovem mais do que tu, vegetal ancião, cantor mudo da vida primitiva dos sertões!
Atalaia grandioso dos campos e das matas - junto de ti pasce tranquilo o touro selvagem e as potrancas ligeiras, que não conhecem o jugo do homem.
São teus companheiros, de quando em quando, os patos pretos que arribam ariscos das lagoas longínquas em demanda de outras mais quietas e solitárias, e que dominas, velha palmeira, com tua figura erecta, queda e majestosa com a de um velho guerreiro petrificado.
As varas de queixadas bravias atravessam o campo e, ao passarem junto de ti, talvez por causa do ladrido do vento em tuas palmas, redemoinham e rangem os dentes furiosamente, como o rufar de tambores de guerra.
O corcel lobuno, pastor da tropilha, à sombra de tua fronde, sacode vaidosamente a cabeça para arrojar fora da testa a crina basta do topete, que lhe encobre a vista; relincha depois, nitre com força apelidando a favorita da tropilha, que morde o capim mimoso da margem da lagoa.
Junto de ti, à noite, quando os outros animais dormem, passa o canguçu em monteiria; quando volta, a carne da preá lhe ensanguenta a fauce e seu andar é mais lento e ondulante.
Talvez passassem junto de ti, há dois séculos, as primeiras bandeiras invasoras; o guerreiro tupi, escravos dos de Piratininga, parou então extático diante da velha palmeira e relembrou os tempos de sua independência, quando as tribos nômades vagavam livres por esta terra.
Poeta dos desertos, cantor mudo da natureza virgem dos sertões, evoé!
Gerações e gerações passarão ainda, antes que seque este tronco pardo e escamoso.
A terra que te circunda e os campos adjacentes tomaram teu nome, ó epônimo, e o conservarão.
Se algum dia a civilização ganhar essa paragem longínqua, talvez uma grande cidade se levante na campina extensa que te serve de soco, velho Buriti Perdido. Então, como os hoplitas atenienses cativos em Siracusa, que conquistaram a liberdade enternecendo os duros senhores à narração das próprias desgraças nos versos sublimes de Eurípedes, tu impedirás, poeta dos desertos, a própria destruição, comprando teu direito à vida com a poesia selvagem e dolorida que tu sabes tão bem comunicar.
Então, talvez, uma alma amante ads lendas primevas, uma alma que tenhas movido ao amor e à poesia, não permitindo a tua destruição, fará com que figures em larga praça, como um monumento às gerações extintas, uma página sempre aberta de um poema que não foi escrito, mas que referve na mente de cada um dos filhos desta terra.

Observação 1: Esse texto estava na placa que ainda existe aos pés dos Buritis da Lagoa Paulino. Vandalizado, foi arrancado e nunca mais retornou ao local.

 Placa onde se encontrava o texto sobre citado acima. Foto tirada em 28/10/2010.
[Clique na foto para ampliar.]

Observação 2: Os 2 buritis da Lagoa Paulino são imunes de corte. 

Fotos: Ramon Lamar de Oliveira Junior

3 comentários:

  1. Ramon, é histórico e lindo esta postagem!
    Sua sensibilidade me encanta!
    Peço licença para transcreve-la no Sempre Jovem onde mais pessoas irão tomar conhecimento dela e darei os devidos créditos. Espero sua licença.
    Beijos
    Celle

    ResponderExcluir
  2. Grande escritor, Affonso Arinos, nascido em Paracatu, orgulho de seu povo, cujo hino o homenageia em seu estribilho:

    "Paracatu do Príncipe
    do ouro do esplendor
    dos Buritis de Arinos
    do nosso eterno amor"

    Maria do Carmo
    ttutucha@yahoo.com.br

    ResponderExcluir

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.