As opiniões emitidas neste blog, salvo aquelas que correspondem a citações, são de responsabilidade do autor do blog, em nada refletindo a opinião de instituições a que o autor do blog eventualmente pertença. Nossos links são verificados permanentemente e são considerados isentos de vírus. As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Notícia: Sete Lagoas vai ganhar Programa Integrado de Gestão e Arborização para o município .

[Sobre matéria publicada no setelagoas.com.br em 21 de Junho de 2010]


Bastante louvável a intenção da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMMA) em estabelecer um diagnóstico da arborização urbana de Sete Lagoas, visando à futura adequação das espécies e criação de normas para arborização.
Sete Lagoas, como muitas outras cidades brasileiras, sofre com a inexistência de um setor qualificado para tratar das questões de arborização e paisagismo urbano. O comum, na maioria dos municípios, é colocar a questão nas mãos de pessoas indicadas politicamente para o cargo. Adubada dessa maneira, a desordem cresce e floresce exponencialmente.
Espécies inadequadas são plantadas muitas vezes pelos moradores, que desconhecem as características das árvores que estão colocando em suas calçadas, e em outras tantas vezes são adquiridas em lote pelo setor de compras da prefeitura, mais preocupado com o preço do que com a qualidade das mudas. Não é incomum prefeitos de várias cidades virem a público dizer que "plantamos 50 mil mudas"... só para mais tarde percebermos que são inadequadas, foram plantadas sob a fiação ou sob os postes de iluminação, invadem as redes pluviais e de esgotos, carregam pragas, destroem as calçadas etc etc etc.

Um caso comum (em Sete Lagoas temos vários desses) é a plantação de algumas espécies de Ficus nas calçadas ou canteiros centrais. O resultado futuro é desastroso, não só pela destruição causada pelas raízes como também pela possibilidade de queda da árvore sob forte ventania.
Isso sem falar das pragas como o cipó-chumbo, "fios de ovos" ou Cuscuta racemosa. Trata-se de uma parasita que depois de muitos anos ausente invadiu Sete Lagoas a partir de mudas contaminadas.


Cuscuta racemosa

E ganha um doce quem contar quantas de nossas árvores estão comprometidas pela erva-de-passarinho.
Estou na torcida por um bom trabalho da SEMMA e para que o mesmo aconteça sem intervenções perniciosas. Competência para tocar esse projeto não falta ao secretário Lairson Couto.
Abaixo, dois trabalhos realizados com meus alunos do Colégio Caetano, turma de 2007. Um deles sobre as espécies usadas no paisagismo urbano da cidade e o outro é um levantamento de problemas na arborização de um trecho de 500 metros da Avenida Vila Lobos . Os posteres impressos dos trabalhos foram doados à SEMMA.




Ramon Lamar de Oliveira Junior


Um comentário:

  1. "Adubada dessa maneira, a desordem cresce e floresce exponencialmente." - Gostei dessa colocação!

    Ainda acredito no Dr. Lairson Couto. AINDA, com muita fé - ressalte-se!

    Até então, aplaudimos (passado, presente...) discursos "muito-bem-fundamentados-e-dignos-de-louvor". OH!

    Moro perto da Lagoa Boa Vista. E daí?
    E por que estou aqui, "comentando"?!
    Ora, ervas daninhas espraiam-se de forma incontrolável.
    Ainda estamos assistindo a essa magnífica e maléfica proliferação de braços cruzados. Isso, claro, com relação à atual gestão.
    Bonito, não?

    E deixo essa questão enquanto algo mais amplo. Muito mais amplo, caros cidadãos sete-lagoanos!

    "Como assim?!"

    Tirem as suas próprias conclusões!

    Uma metáfora, uma verdade. (E não o oposto.)

    ResponderExcluir

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.