As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

MATÉRIAS DA REVISTA CIÊNCIA HOJE QUE PODEM CAIR NA PROVA DO ENEM

Pesquisem no Google pelo título das matérias. Mas pelo menos leiam as descrições para ficarem um pouco por dentro dos assuntos. São os assuntos mais relevantes, em termos de conhecimentos que podem ser cobrados na prova do ENEM, publicados pela CIÊNCIA HOJE em 2012.

As aves das áreas úmidas: O norte do estado do Rio de Janeiro reúne áreas costeiras adequadas para a vida de uma grande variedade de aves, que encontra ali abrigo, alimento e lagoas e brejos ideais para reprodução. 

Evo-Devo verde-amarela: Será que existe algo em comum entre os nossos olhos e os dos mosquitos? A ciência que busca responder a esse tipo de pergunta é a biologia evolutiva do desenvolvimento, conhecida como Evo-Devo.

‘Fumar é perder fôlego’ ou ‘parar de fumar é ganhar fôlego’? O tabagismo é o segundo principal fator de risco de morte evitável no mundo, o que torna a realização constante de campanhas públicas ainda mais importante.

Longa jornada entre hipótese genial e revolução científica: Mal recebida quando foi lançada, a teoria da deriva continental fez 100 anos em 2012. 

Maioridade da espectroscopia: Há 150 anos, o físico sueco Anders Jonas Angström fazia uma importante descoberta sobre a natureza do Sol. A combinação da espectroscopia com a fotografia permitiu, em 1862, que ele provasse que o Sol contém hidrogênio, entre outros elementos químicos.

Estamos mudando? Biologia, cultura e evolução: Com a publicação de A origem das espécies, Charles Darwin mostrou que somos uma espécie como as outras, e que a diferença principal entre nossa espécie e as demais é a cultura. Mas será que ela influencia a evolução de fatores biológicos?

Corro, logo penso: Os perigos do sedentarismo é o tema da coluna de Franklin Rumjanek deste mês, que traz dados assustadores sobre o crescimento da inatividade física no mundo. Mas será que ela pode colocar em perigo também o intelecto humano?

Coivara: cultivo itinerante na floresta tropical: Você sabe o que é o cultivo de coivara? A CH traz um artigo explicando cada detalhe desse tipo de agricultura itinerante adotado por populações tradicionais. Hoje ele está restrito às regiões tropicais do planeta e é centro de discussões sobre sustentabilidade e conservação de florestas.

Materiais nanoparticulados e seus potenciais riscos à saúde: A nanotecnologia tem aberto novas possibilidades na medicina e impulsionado o desenvolvimento de materiais com novas funcionalidades e melhor desempenho. Mas ela pode envolver riscos.

Ouro contra açúcar: Na época do Brasil imperial, a exploração continuada do ouro fomentava discussões quanto ao seu real benefício, inclusive entre administradores e governadores de capitanias. Parte importante dessa história está no livro Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas, do jesuíta italiano João Antonio Andreoni.

Cidade Inteira: À margem da agenda: Em sua coluna na CH, Sérgio Magalhães fala sobre a ausência de dois temas cruciais do cotidiano das cidades no debate político: transporte e moradia. Existe um passivo socioambiental grande relacionado a essas questões, fruto de dois eixos herdados do alvorecer do regime militar: o privilégio ao automóvel no transporte urbano e o exclusivismo governamental nos investimentos em habitação.

Paraíso do agrotóxico: O Brasil é a lixeira tóxica do planeta. Desde 2008 o país é o maior consumidor global de insumos químicos para agricultura. Mas diante dos números sedutores na balança comercial, discutir os aspectos negativos desse modelo agrário virou um tabu. Veja como a nossa economia agroexportadora insiste em se reafirmar, ainda que acompanhada por temerosas dívidas sociais e ambientais. 

A força está com as células: Apesar de sua relevância, a bioenergética – ramo das ciências biológicas que se dedica ao estudo das transformações de energia nos seres vivos – ainda é pouco conhecida. 

O bóson de... Higgs? O físico George Matsas comenta a identificação do bóson de Higgs, que, segundo ele, está longe de completar o quebra-cabeça das partículas elementares. Há ainda muitas peças desconhecidas. Mas, para investigar com mais detalhe a estrutura íntima da matéria, será preciso usar ‘sondas’ cada vez menores, que exigirão cada vez mais energia para criá-las. 

A queda do muro entre ciências e humanidades: Há 50 anos era publicado o livro A estrutura das revoluções científicas, do físico e filósofo Thomas Kuhn. A obra, ao aproximar a ciência de outras formas de conhecimento normalmente consideradas ‘irracionais’ ou ‘subjetivas’, provocou significativa mudança na forma de se pensar o funcionamento da instituição científica. Kuhn sofreu duras críticas à época.

A propósito: Nada de novo sob o Sol: A antiga prática da fitoterapia – o uso de produtos vegetais para fins medicinais –, apesar do preconceito acadêmico e da inconstância clínica, ganha novo vigor. Periódicos de prestígio na área do estudo do câncer trazem uma série de relatos sobre a utilização conjunta de fitoterápicos com medicamentos já ministrados no tratamento da doença.

Um químico idealista: Em entrevista à CH deste mês, o vencedor do Nobel de Química de 1986, Yuan Tseh Lee, fala de sua preocupação com os desafios políticos, sociais e ambientais do mundo moderno. Desapontado com a falácia desenvolvimentista que acomete as sociedades contemporâneas, Lee não economiza críticas ao modelo econômico que referencia o consumismo acima de tudo.

Mudança do clima e energia: Entre outros efeitos, as alterações do clima podem reduzir as chuvas na Amazônia e, com isso, o fluxo de água nos rios. Como o país depende fortemente das hidrelétricas como fonte de energia, cabe a pergunta: em que medida possíveis mudanças do clima se refletiriam na geração de energia nas hidrelétricas brasileiras na região?

Hanseníase: lições e desafios: A hanseníase, relatada desde antes dos tempos bíblicos, é considerada a doença mais antiga que atinge a humanidade. Apesar disso, até hoje muitos aspectos do bacilo de Hansen, causador da infecção, são pouco conhecidos. A CH apresenta descobertas recentes sobre a relação dessa bactéria com o ser humano, que podem contribuir para a erradicação da doença.

Ilhas de ferro: A CH apresenta as cangas, afloramentos de rochas ferruginosas que abrigam espécies raras e cavernas. Por recobrirem imensas jazidas de minério de ferro e devido à falta de políticas públicas adequadas, estão entre as regiões mais ameaçadas do país.

Radioatividade exótica: Na década de 1970, pesquisadores do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas descobriram uma nova forma de emissão de radiação: o decaimento exótico. A CH traz um breve histórico das descobertas sobre radioatividade até o feito brasileiro e esclarece o que é essa sua forma exótica e o que já se sabe sobre ela.

Polêmica: Internação involuntária: Na primeira edição da seção ‘Polêmica’, dois especialistas discutem a internação involuntária de dependentes químicos.

Morcegos e cavernas: As cavernas servem de abrigo para os morcegos e, sem elas, grande parte das espécies desses mamíferos não existiria. Saiba mais sobre a complexidade da relação entre morcegos e cavernas e entenda por que tal refúgio foi tão importante para a evolução desses animais.

O choro da energia abandonada: A coluna de exatas da CH trata da segunda lei da termodinâmica, segundo a qual corpos quentes esfriam, mas corpos frios não esquentam espontaneamente; uma gota de tinta que cai na água se espalha e jamais se reagrupa. Para o físico João Torres de Mello Neto, autor do texto, essa assimetria da natureza ajuda a explicar a constante luta do universo contra a desorganização.

Peste: uma doença do passado? Uma das doenças mais temidas pela humanidade e que já matou mais de 200 milhões de pessoas ao longo dos últimos milênios, a peste ainda oferece perigo. O último caso notificado em seres humanos no Brasil foi em 2005, mas é importante que o aperfeiçoamento dos sistemas de vigilância e controle epidemiológico continue para evitar que a bactéria, ainda encontrada em roedores silvestres em algumas áreas do país, atinja a população.

As barragens e os peixes: A construção de represas e a introdução de espécies de peixes têm forte impacto nas bacias hidrográficas brasileiras. Artigo da CH deste mês fala sobre estudos que estimam como essas ações prejudicam as populações nativas de peixes.

Os intelectuais e o Estado Novo: Entre 1941 e 1945, a revista Cultura Política foi publicada para mostrar a diversidade de costumes do Brasil e reuniu intelectuais que pensavam o país sob diferentes perspectivas ideológicas. A análise dessa revista permite examinar não apenas a orientação ideológica da ditadura de Vargas, mas também as relações dos intelectuais com o regime.

Por que envelhecemos? Em objetos inanimados, o envelhecimento se confunde com o desgaste provocado por fatores físico-químicos. Nos seres vivos, é diferente. Muitos animais, por exemplo, passam por um processo de deterioração à medida que envelhecem que não é causado por desgaste mecânico. Artigo da CH apresenta teorias que tentam explicar como e por que o envelhecimento se estabeleceu no curso da evolução.

Religião, sociedade e conhecimento: Artigo aponta as principais contribuições da última obra do francês Émile Durkheim para a sociedade atual. Considerado um dos fundadores da sociologia, Durkheim aborda nesse livro, lançado há 100 anos, importantes aspectos sobre religião e conhecimento.

Os plásticos podem ser perigosos? Dados recentes apontam que substâncias químicas presentes em produtos feitos com alguns tipos de plástico, usados comumente pela população e descartados no ambiente, podem causar danos à saúde humana, principalmente interferências no sistema hormonal. Artigo da CH mostra os perigos da exposição a esses compostos, que, além de reduzir o número de espermatozoides produzidos por cada indivíduo, pode aumentar a incidência de câncer de mama e de próstata. 

Tumor evolutivo: Franklin Rumjanek mostra que até o câncer serve como exemplo da universalidade da seleção natural. A população de células cancerosas em um tumor tem genomas diferentes e essa heterogeneidade genética dificulta o tratamento da doença.

A menor distância entre dois pontos é uma reta? Após a ocupação do homem, o ambiente florestal foi reduzido a fragmentos de mata. Artigo explica como os caminhos traçados por animais durante sua movimentação entre esses fragmentos podem ajudar a criar estratégias de conservação da floresta.

O triângulo negro da abolição: A abolição da escravatura no Brasil, movimento que marcou a segunda metade do século 19, envolveu uma pluralidade de indivíduos, de diferentes posições sociais e cores de pele. Artigo conta três histórias que mostram a heterogeneidade da população negra e mulata envolvida no ativismo abolicionista. 

O papel dos vírus na árvore da vida: Artigo da CH deste mês questiona a visão estreita de que os vírus são meros causadores de doenças. Apesar de não possuírem células, eles interagem de diversos modos com os seres vivos e podem ser importantes ferramentas no estudo da evolução da vida. 

Colher o fruto sem plantar a árvore: O artigo volta ao período do ciclo do ouro em Minas Gerais, no século 18, e ao da expansão da fronteira agrícola na Amazônia, na década de 1970, para alertar sobre as mudanças propostas pelo novo Código Florestal. As alterações do documento incentivam a degradação ambiental e arriscam a própria produção agrícola em busca do lucro fácil.

Contra o carvão ilegal: A CH trata de uma técnica chamada antracologia, que possibilita identificar a origem do carvão e analisar se ele veio de áreas de reflorestamento ou de matas nativas. O uso do método pode ajudar a proteger essas florestas, principalmente a mata atlântica, a floresta amazônica e o cerrado.

Gilberto Velho e a antropologia brasileira: A CH homenageia um dos maiores intérpretes da complexidade das sociedades humanas, o antropólogo Gilberto Velho, falecido em abril. O antropólogo e colega Luiz Fernando Dias Duarte fala sobre a carreira e o trabalho de Velho e destaca suas contribuições para o campo das ciências humanas.

Cemitério dos Pretos Novos: O artigo mostra os resultados de estudos feitos em um cemitério de escravos descoberto sob a malha urbana na zona portuária da cidade do Rio de Janeiro. Medições de componentes químicos, análises de DNA e estudos de antropologia em ossos e dentes de escravos ali sepultados no final do século 18 e início do século 19 trazem informações sobre a origem, os hábitos de higiene e a condição física dos africanos que chegavam ao antigo cais do Valongo. 

Vinho, câncer e idoneidade: A polêmica do uso do resveratrol, presente no vinho, como um dos principais aliados no combate do câncer. O artigo ressalta que um dos maiores defensores dos efeitos terapêuticos dessa substância foi acusado de fraude em algumas de suas pesquisas. O caso coloca em dúvida a eficácia do resveratrol e de outros produtos de plantas e vai tornar ainda mais complexo o processo de publicação científica.

O papel da matemática na tomografia: Uma das técnicas mais antigas para testes não invasivos é a da tomografia por raios X. A radiação transmitida por esse aparelho atravessa as várias camadas do corpo, vai perdendo parte da sua energia original ao longo do caminho e, ao chegar do outro lado, sua intensidade final é medida. Artigo destaca o papel fundamental da matemática nesse processo: por meio das medições da absorção de energia, ela possibilita a produção da imagem do exame.

Parasitoides: insetos benéficos e cruéis: A CH traz um artigo sobre os parasitoides, pequenos insetos que se instalam perto, sobre ou dentro de um hospedeiro e, depois de certo tempo, matam-no para virarem adultos. Esses insetos geralmente atacam hospedeiros de determinadas espécies e por isso vêm sendo usados no controle de pragas agrícolas, o que diminui a necessidade de uso de inseticidas tóxicos.

Inteligência computacional a serviço da medicina: Equipamentos recentes têm facilitado a identificação de enfermidades como a Aids e vários tipos de câncer e permitido uma avaliação mais precisa da resposta dos pacientes a certo tratamento. 

Jaqueira: uma invasora na mata atlântica: A introdução de plantas ou animais em áreas em que não existiam é uma das principais causas de perda de biodiversidade global. Entre as espécies invasoras da mata atlântica está a jaqueira. Artigo mostra os impactos da espécie originária da Ásia sobre a diversidade e os solos desse bioma de grande riqueza e importância ecológica e socioeconômica.

Natureza x cultura: Sérgio Magalhães escreve sobre o desafio enfrentado pela Rio+20 na tentativa de delinear um modelo de cidade sustentável para o século 21. Ele fala sobre as qualidades urbanísticas mais relevantes para as gerações futuras e defende que as cidades sejam espaços democráticos onde o acaso possa acontecer, promovendo inclusão e diversificação no ambiente urbano. 

Experimentos com animais: quando ser a favor ou contra não quer dizer nada: Artigo da seção ‘Opinião’ da CH fala sobre a complexidade da experimentação com animais e explica por que a divisão de opiniões sobre o assunto não contribui para o desenvolvimento científico. O texto destaca ainda a necessidade de se buscarem métodos alternativos que solucionem as questões éticas envolvidas no uso de animais em pesquisas.

Os 50 anos da Floresta Nacional de Caxiuanã: Criada em 1961, a Floresta Nacional de Caxiuanã abriga comunidades que enfrentam situações precárias pela falta de acesso a serviços básicos como educação, saúde e transporte.

Revoluções na superfície do globo: Há 200 anos, o naturalista francês Georges Cuvier lançou uma obra que deu statuscientífico à paleontologia. Ao estudar a anatomia comparada de fósseis, Cuvier declarou a existência de espécies diferentes – ainda que morfologicamente próximas – e a ocorrência de extinções no mundo antigo.

Viagens no tempo: como a física quântica pode transformar ficção em realidade: O conceito de viagem no tempo é estudado há décadas pela ciência com base na famosa teoria da relatividade de Albert Einstein. Recentemente o assunto vem sendo revisitado a partir de ideias da informação quântica, área de pesquisa que estuda aplicações da mecânica quântica (que lida com os fenômenos do universo atômico) ao processamento de informações. 

Inteligência por acaso: Para evolucionistas, a vantagem que os organismos complexos têm sobre os simples surge por causa de adaptações à pressão seletiva da natureza.

Efeitos quânticos em sistemas biológicos: Experimentos recentes com sistemas biológicos sugerem que propriedades do mundo quântico poderiam ter papel fundamental em processos necessários à manutenção da vida. Os resultados marcam o nascimento de uma nova área do conhecimento, a biologia quântica.

Mecânica quântica: teoria em construção: A teoria quântica permite prever, com sucesso absoluto, os resultados de vários experimentos que investigam o mundo atômico e subatômico, mas seus alicerces ainda são obscuros e controversos. 

Chimpanzés têm cultura? Alguns cientistas que estudam o comportamento de primatas defendem a ideia de que as populações de chimpanzés são capazes de produzir e reproduzir diferentes culturas. Artigo aborda a controvérsia sobre a existência dessas culturas, que poderia modificar os estudos sobre evolução e as fronteiras entre humanos e animais.

Ferrugens do trigo: segurança alimentar ameaçada: A disponibilidade do trigo, considerado a base da alimentação humana, tem sido afetada por doenças conhecidas como ferrugens do trigo. Artigo discute o problema e a necessidade de se obterem variedades da planta resistentes a essas pragas.

A América das castas: A mestiçagem era elemento predominante nas sociedades hispano-americanas. Em sua coluna na CH, Laura de Mello e Souza fala sobre um aspecto pouco conhecido desse mundo: a pintura de casta, tipo de representação feita por mestiços em que se destacam as figuras humanas e aspectos da vida material nessas sociedades.

Preâmbulo da revolução copernicana: Em 1512, muito antes de lançar a obra em que apresenta o sistema heliocêntrico, Nicolau Copérnico fez circular entre colegas um manuscrito em que fazia a primeira descrição dessa nova teoria.

Sol, praia, fuso horário e saúde: Em artigo, pesquisadores mostram como o Sol pode ser grande inimigo da saúde. Análise dos índices de radiação ultravioleta que atingem praias nordestinas indica que as recomendações sobre horários adequados para se expor ao Sol na região são incorretas e põem em risco a o bem-estar dos banhistas. 

‘Droga do sertão’ em risco de extinção: Árvore que substitui o cravo e a canela, 'especiaria’ valiosa na época colonial, o pau-cravo quase foi extinto. Sua redescoberta, no Pará, abre caminho para seu futuro aproveitamento. Em artigo, especialistas falam sobre a importância da criação de uma unidade de conservação para que esse plano se concretize.

A favor da liberdade: A seção ‘Memória’ da CH lembra os 250 anos de uma das maiores obras do pensamento político moderno: Do contrato social, do escritor e teórico suíço Jean-Jaques Rousseau. O livro clássico trata da sociedade e da política por uma ótica inovadora para a época e até hoje é reverenciado. 

A química e a memória do holocausto: Em sua coluna, Renato Lessa fala sobre o químico e escritor italiano Primo Levi, sobrevivente de Auschwitz e autor do premiado A tabela periódica. Lessa mostra como a vocação de químico foi importante para que Levi escrevesse sobre sua experiência terrível no campo de concentração nazista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.