As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

PARABÉNS, PROFESSOR! (de Valdemar Carlos de Deus)

Discurso de Formatura em Homenagem aos Professores
(feito por outro professor... aliás, um fantástico professor.)

Permitam-me um instante de estrelismo.
Hoje, eu quero ser esnobe.

Deixem-me levantar o queixo.
Arquear a sobrancelha.
Lançar, por sobre todos,
um olhar fingidamente perdido,
em busca da linha do horizonte.

E sentir-me superior a tudo
e a todos quantos não puderem ser
vistos, sentidos ou, ao menos,
imaginados no nível dessa linha.

Hoje, eu quero aplaudir-me.
E quero cultivar meu ego.
E apaixonar-me pela minha imagem
refletida no espelho desta festa.

E, só então, poder comprovar
quanto Narciso foi modesto
e medroso em seus sentimentos.

Então, que as luzes, hoje, se voltem para mim!
Que os murmúrios falem sobre mim!
Que os aplausos sejam para mim!

Que o brilho mais forte que não venha de mim
não passe de um pálido reflexo de todas as luzes,
que, hoje, eu quero para mim!

Afinal, eu sou professor!

Eu sei que, às vezes, falam de mim.
E que, às vezes, me acham pedante.
E que, às vezes, não suportam esse ar superior,
que, às vezes, imaginam em mim.

É que não entendem a razão
de eu ser assim.
Mas é fácil explicar:
é tudo porque sou professor.

Mas eu sei que, às vezes, não gostam de mim.
Que me acham orgulhoso. Convencido demais.
E eu sorrio por dentro. E sei que estão certos.

O orgulho mora dentro de mim.
Ele é meu aliado.
Sem ele, não existe vitória.
A não ser por acaso.

E o acaso não é um bom companheiro.
Não é um bom conselheiro.
É o sucesso dos fracos.

Eu quero é o sucesso dos fortes.
Por isso, cultivo o orgulho.
Eu preciso do orgulho.

E eu deixo que o orgulho
me obrigue ao sucesso.
E é com orgulho
que eu chego à vitória.

E, se, ainda assim, não entendem
a razão desse orgulho,
é fácil explicar:
É tudo porque sou professor.

Mas eu sei que, às vezes,
nem olham pra mim.
Ou fingem não ver-me;
ou ter raiva de mim.

Mas isso eu entendo.
E até justifico esse pobre pensar:
é que não aceitam a tranquilidade,
que percebem em mim.

E, se me veem tranquilo,
tão cheio de mim,
sem razão para tanto,
no seu pobre entender,
me acham metido. Estrela demais.

E eu sorrio por dentro. E sei que estão certos.
O orgulho sustenta a tranquilidade
que, de fato, existe em mim.

E, se, ainda assim, alguém não aceitar
ou não pode entender o meu jeito de ser,
é fácil explicar:
é tudo porque eu sou professor.

E ninguém pode dizer-se professor de verdade,
se não puder sê-lo com muito orgulho e muita vaidade.

Ninguém pode dizer-se professor de verdade,
se não sentir o inevitável orgulho pela profissão.

Mas tem de ser aquele orgulho-verdade,
aquele orgulho legítimo,
aquele orgulho do bom,
como sabem, como podem e como devem sentir
os verdadeiros professores.

Ninguém pode dizer-se professor de verdade,
se não puder fazer isso com muita alegria.

Ser professor é buscar a alegria,
motivar a alegria, tornar-se a alegria,
viver a alegria, reviver a alegria.

A alegria do encontro e a do reencontro.
A alegria da descoberta e a da redescoberta.
A alegria da ida e a alegria da volta.
A alegria da compreensão e da ajuda mútua.
A alegria do doar e a do receber.
A alegria do conhecer e a do saber.
A alegria do viver e a do conviver.
A real alegria que se aprende
com essa coisa gostosa,
que é ser professor.

Ninguém pode dizer-se professor de verdade,
se não puder se sentir um amigo de fato.

Ser professor é ansiar pela amizade.
É precisar da amizade.
É fazer da amizade o caminho da vitória.
É saber que, pela amizade,
se vencem os obstáculos, se eliminam os medos,
se renova a esperança, se investe na luta
e se conquistam as vitórias.

A conquista da amizade
tem de ser, certamente,
se não a maior, a mais cobiçada
aspiração de um professor.

Quem não vir, em cada aluno,
um amigo que o ensine a ensinar
e com quem aprenda o significado
da verdadeira amizade
não pode dizer-se professor.

Ser professor é fazer da amizade
o maior de todos os seus projetos,
na difícil arte de ensinar.

Ser professor é, também,
viver a ternura.
Uma ternura diferente.
Uma ternura indizível.
Misto de sensações
que envolvem a gente.

A ternura da busca e do medo de não encontrar.
A ternura da luta e da incerteza da vitória.
A ternura do querer e do receio de não poder.
A ternura do se encontrar,
do conhecer a si mesmo,
do acreditar nas próprias possibilidades.
A ternura da descoberta,
do crescimento,
da realização.
A ternura da alegria de quando se dá conta da própria importância.

Ser professor é viver a alegria
A alegria do sim. Ou até mesmo do não.
A alegria de estar. A alegria de ser. A alegria de ficar.

A alegria de ir, de vir. A alegria de tudo.

Mas a alegria espontânea.
A alegria malandra.
A alegria moleque.
A alegria matreira,
que, sem cerimônia,
se apodera da gente.

Ser professor é, sobretudo, viver a saudade.

Não uma saudade qualquer.
Não a saudade efêmera,
a saudade covarde,
capaz de fugir,
ao menor sinal
da mais insignificante ameaça.

Ser professor é viver
a saudade-coragem,
a saudade-ousadia,
a saudade-confiança,
que não pede licença,
porque conhece sua força e seus direitos.

A saudade que, mesmo sabendo
que terá de lutar para preservar seu lugar,
aposta em sua força, disposta a enfrentar,
combater e vencer qualquer outra
que ameace tomar-lhe a hegemonia
diante de outros sentimentos.

Ser professor não é apenas exercer um cargo.
Ser professor não é apenas ostentar um título.
Ser professor não é apenas buscar uma profissão.

Ser professor é adotar um estilo de vida.
É prestar uma homenagem viva e constante à coragem, à ousadia, à esperança.

E quem tiver medo de tanta emoção
ou nelas não crer
busque caminhos diferentes,
de sentimentos omissos

Ser professor exige coragem.
Ser professor exige crença.
Ser professor exige fé.

Ser professor é vencer seus próprios limites.
É fazer deles não uma linha de chegada, mas um ponto de partida.

Ninguém pode, timidamente,
sentindo-se fraco,
aventurar-se pelos caminhos do magistério,
sem avaliar, com clareza, essa sua aventura.
Sem ter consciência da grandeza do encargo.

A quem o fizer estará reservado o fracasso.

Sigam sua luta, colegas.

E sejam felizes!


[Excerto de  um discurso proferido por Valdemar Carlos de Deus - mestre em Língua Portuguesa pela PUCMG - em 1996 na solenidade de formatura do extinto Curso de Letras do Unifemm.]

Belíssima homenagem a todos os professores!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.