As imagens deste blog podem ser usadas livremente, desde que a fonte seja citada: http://ramonlamar.blogspot.com

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Meçam as palavras ao comparar tragédias!

A razão do título desta postagem encontra-se abaixo, destacada em vermelho.
"Como é de costume, proliferou o exagero na internet - houve quem apontasse o desastre ambiental como o maior de toda a história. Bobagem. Trata-se, isto sim, do pior desastre do gênero em Minas Gerais e do mais grave do mundo tendo por causa o despejo de rejeitos minerais no ambiente - no caso da mineradora de Bento Rodrigues, três vezes maior que o da segunda colocada, a mina canadense Mount Polley, protagonista de episódio semelhante no ano passado."
Raquel Beer, in Lama Exterminadora, Revista Veja, edição 2453, pag. 64-65.

Título e trecho da matéria em questão.

Que comparação mais medíocre foi feita pela articulista da revista, na tentativa de minimizar os acontecimentos de Minas Gerais. Analise bem, os trechos seguintes, sobre os dois acidentes anteriores que foram comparados com a recente tragédia da SAMARCO/VALE/BHP BILLITON: 
“Em 18 de janeiro de 2000, um vazamento de 1300 metros cúbicos de óleo foi o responsável por mudar o cenário da Baía de Guanabara e contaminar grande parte do ecossistema de mangues no entorno. Um duto da Petrobrás que ligava a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) ao terminal Ilha d'Água, na Ilha do Governador, rompeu-se antes do raiar do dia, provocando um vazamento do óleo combustível nas águas da baía. A mancha se espalhou por 40 km². O episódio entrou para a a história como um dos maiores acidentes ambientais ocorridos no Brasil. O vazamento afetou milhares de famílias que viviam da pesca e de atividades ligadas ao pescado. Na época, a Petrobras pagou uma multa de R$ 35 milhões ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e destinou outros R$ 15 milhões para a revitalização da baía.” 
(Baseado em informações de www.oeco.org.br)
“No Brasil, em março de 1975, um acidente rompeu o casco do navio-tanque iraquiano Tarik Ibn Ziyad no canal central de navegação da baía de Guanabara liberando cerca 6000 metros cúbicos de óleo. Várias praias foram atingidas nas cidades do Rio de Janeiro e de Niterói, tanto no interior da baía quanto na costa oceânica. O óleo provocou incêndios em áreas de manguezal, em torno da baía, e a contaminação afetou seriamente as comunidades animais da zona entremarés.” 
(Baseado em informações de www.cienciahoje.org.br)
Comparemos os eventos acima com o vazamento ocorrido na SAMARCO/VALE/BHP BILLITON, que, de acordo com o IBAMA, chegou a 50 milhões de metros cúbicos de lama de rejeitos e a matemática nos mostrará a dimensão do acontecido nas terras e águas mineiras e, por extensão, capixabas. Talvez pudéssemos citar outros eventos internacionais para comparação, aí de forma muito mais sensata, para afirmar que o acidente mineiro está abaixo da escala de outros acidentes mundiais de outra natureza. O vazamento do poço da British Petroleum (BP) no Golfo do México (2010) atingiu o volume de 700 milhões de metros cúbicos de petróleo e gerou uma multa de 80 bilhões de reais. Perto desses acidentes, os dois derramamentos de óleo citados na matéria são filhotes. Isso sem contar os 2 bilhões de metros cúbicos de petróleo lançados no Golfo Pérsico em 1991 por ordem de Saddam Hussein para atrapalhar a invasão americana na primeira guerra do golfo.
O acidente causado pelas atividades um tanto inconsequentes da SAMARCO/VALE/BHP BILLITON e suas circunstâncias pode merecer uma série de terminologias. Mas "bobagem", termo usado pela articulista, merece no mínimo um pedido de desculpas. Se não for pelo estrago ambiental, que seja muito justa e irreparavelmente pelas vidas perdidas e pelos sonhos enterrados na lama ao longo de todo o trajeto dos rios contaminados e até na foz, no Espírito Santo.
Mas façamos um breve review de alguns fatos: 879 quilômetros de rios, com uma largura média de 200 metros (apesar de já em Governador Valadares a largura ultrapassar 300 metros, e na foz ter aproximadamente 1000 metros)... o que computa quase 176 quilômetros quadrados de área de grande biodiversidade (passando inclusive dentro do Parque Estadual do Rio Doce, unidade de proteção integral) cobertos pela lama de composição até agora incerta (mas que é muito eficiente em eliminar a fauna aquática). Por enquanto uma contaminação de cerca de 100 quilômetros quadrados na foz do Rio Doce, em área de mangue, com reprodução de crustáceos, peixes, aves e desova de tartaruga marinha nas praias. Ameaça real sobre no mínimo 11 espécies do Rio Doce que já estavam ameaçadas de extinção e outras 70 espécies que não estavam em extinção mas são endêmicas das regiões afetadas, ou seja, foram colocadas em situação de risco ou já estão extintas (em outras palavras, podemos até ter o rio de volta em 10 ou 20 anos, mas essas espécies nunca mais). Todo o comprometimento do modo de vida de uma tribo indígena de grande riqueza cultural, os Krenak, umbilicalmente ligados ao Rio Doce em todas as suas tradições. Multas e penalizações (citadas inclusive no próprio artigo em torno de 1,5 BILHÃO de reais) que podem chegar a 20 BILHÕES DE REAIS, tanto para a indenização das populações humanas afetadas, como para trabalhar a recuperação ambiental. Acho que esses bilhões citados acima estão bem acima da multa paga pela Petrobrás no valor de 50 milhões, citada anteriormente, o que pode ajudar a nossa articulista a ter uma melhor visão do que chamou de bobagem.
Até por elegância, o pedido de desculpas pelo uso inapropriado de tal palavra é o que podemos esperar. Aliás, pedido de desculpas que o diretor-presidente da SAMARCO/VALE/BHP BILLITON disse que não cabia no caso do acidente e dezessete dias depois do rompimento da barragem foi obrigado a pronunciar.

Ramon Lamar de Oliveira Junior

2 comentários:

  1. Muitíssimo bem observado. Os erros factuais já seriam bastante para uma espinafrada. Mas a palavra bobagem, numa tragédia dessa dimensões, é realmente de uma insensibilidade e/ou ignorância e/ou má fé sem justificativa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aristóteles, meu sangue até ferveu ao ler a matéria, colocada dessa forma. Acho até que preciso revisar e reescrever o texto pois a influência do fígado pode ter deixado passar algumas coisas ao cérebro. É muito triste uma jornalista com tamanha desinformação e, até mesmo, contradição com o que expõe na matéria. Produto dos tempos modernos...

      Excluir

Clique em "Participar deste site" e siga o blog para sempre receber informações sobre atualizações. O seu comentário será publicado após ser lido pelo administrador do blog.